WEBMAIL

A Assunção de Maria

Em 1950, o Papa Pio XII definiu como verdade de fé: “É dogma revelado por Deus que a Imaculada Mãe de Deus, a Virgem Maria, terminado o curso de sua vida terrena, foi elevada em corpo e alma à glória celestial”. Mas a FESTA é mais antiga. Era a “Dormição” de Maria e a transferência de seu corpo para o paraíso. Em Jerusalém, fazia-se uma procissão ao túmulo de Maria.

Maria, imagem da Igreja. (Ap 11,19a; 12,1-10ab). Como Maria, a Igreja gera na dor um mundo novo. Como Maria participa na vitória de Cristo sobre o mal? A visão do “Grande Sinal”, leva-nos a reconhecer que, no seguimento de Jesus, e na pessoa de Maria, a nova humanidade já é acolhida junto de Deus. Maria, nova Eva. (1Cor 15,20-27). Jesus faz da Virgem Maria uma nova Eva, sinal de esperança para todos os homens. O texto é uma longa demonstração da Ressurreição. A Assunção é uma forma privilegiada de participação na Ressurreição de Cristo. O apóstolo não evoca Maria, mas esta leitura, na Assunção, leva a reconhecer o lugar eminente da Mãe de Deus no movimento da Ressurreição.

Sinal escatológico da Igreja

Maria Assunta é figura e primícia da Igreja que um dia será glorificada; é consolo e esperança do povo ainda peregrino. É a Ponte da passagem de Israel para a Igreja. É um sinal humano de esperança. A contemplação de Maria na glória faz-nos ver a vitória da esperança sobre a angústia, da comunhão sobre a solidão, da vida sobre a morte.

A formulação da verdade mariana vem diretamente vinculada ao mistério trinitário, com o cristológico e eclesiológico, conforme definida no Concílio de Éfeso 431, ao tratar da maternidade divina (MANELLI,2014). Nos séculos seguintes, com o aprofundamento patrístico, a presença e a intensidade do Senus fidelium (senso dos fiéis) do povo de Deus, e a reflexão do Magistério da Igreja, finalmente veio a definição dogmática da Imaculada em 1854 e da Assunção em 1950.

O texto do Ap 12, 1ss, foi usado como fundamentação para o dogma da Assunção, consciente de que inicialmente esse dado bíblico está relacionado à comunidade. Porém, Maria está relacionada à vida das comunidades, e, portanto, é vista como defensora da vida do discipulado de Jesus. No entanto, por si só, o fundamento através desse texto não é sólido. Outros estudiosos recorreram ao proto-evangelho (Gn 3, 15). Pio XII usa para fundamentar o dogma, a Tradição Patrística na Encíclica Munificentíssimus Deus. Porém, muito antes de ser definida como dogma, a Assunção de Maria já fazia parte do depósito da fé da Igreja.

É importante perceber a trajetória da revelação de Deus e como Maria se insere na História de Salvação. Sua participação no mistério de Cristo e da Igreja refletido e experimentado pelos fiéis ao longo dos séculos. Vale ainda perguntar sobre as consequências do mistério da Assunção em nossa vida. Em que a ressurreição de Maria afeta nossa existência enquanto pessoa humana, em nosso corpo? O que significa ser elevada à glória celeste em corpo e alma? O psicanalista Karl Jung havia dito que a Assunção de Maria no contexto de sua definição e proclamação vinha carregado de arquétipos humanos mas, sobretudo, colocou em relevância o dogma como expressão de renovada esperança de cumprimento das aspirações que se move no mais profundo da alma, garantindo a paz e o equilíbrio de saúde e de vida. A Assunção de Maria não é apenas a plenitude da realização de Maria, mas se torna a resposta à pergunta pelo sentido da vida, pois assunto é o Sim de Deus aos anseios mais profundos do ser humano: mulher e homem. A glorificação de Maria no corpo é a glorificação de toda Igreja que será cidadã da Pátria celeste. Maria goza da Páscoa total e é modelo para a Igreja e prelúdio da Páscoa da história e do Cosmo inteiro, destinado a recapitulação para tributar a glória ao Pai na unidade do Espírito Santo, no dinamismo do Ressuscitado. O corpo aparece como espaço de Salvação, habitação da Divina Trindade, onde Maria encontrou sua habitação e deixou-se habitar em um total descentramento de si para encontrar o tudo de sua vida. Afirmar a Assunção de Maria é afirmar que ela já participa da realidade em que todos participarão.

O corpo não é expressão de morte, de destruição, mas, de uma transfiguração em Cristo pela força da Ressurreição. Somos um corpo físico e transcendente, espaço do falar, do ser, do querer, do agir, do pensar, do sair de si, para encontrar os outros e para se relacionar, interagir no somatório de forças e experiências de Deus e da vida em desenvolvimento e criatividade, na harmonia e adesão ao Projeto de Deus. Maria é a mulher da plenitude da beleza, da bondade e da graça harmoniosa de Deus que, como mulher, vence o dragão pisoteando-lhe a cabeça. Mulher que colocou seu corpo a serviço de Jesus de Nazaré, que andou, que meditou sobre a Palavra de Deus e a vida da Comunidade apostólica da qual fez parte, a serviço dos pobres.

Trazendo esses elementos para o mundo moderno e pós-moderno, vemos que o corpo, ao mesmo tempo em que deve ser cuidado embelezado e cultuado, é extremamente desrespeitado. Tornou-se objeto do mercado. É configurado de acordo com os resultados financeiros. O corpo se reveste da beleza do produto, tem valor à medida em que evidenciar tal produto e esse, dinamizar a alma do mercado: o dinheiro. A sexualidade vem articulada simplesmente ao prazer, às relações sexuais, minadas em sua abrangência relacional como um todo que articula a totalidade do ser numa beleza sinfônica e harmoniosa.

A Assunção de Maria traz, para a mulher e para o homem, um novo e promissor futuro. É a afirmação de que uma mulher participa integral e plenamente da glória do Deus vivo, o que significa resgatar o corpo da humilhação que sobre ele fez pesar a civilização Judaico-cristã. O corpo é o espaço da busca incessante da Vontade de Deus, da esperança e do esperançar em um permanente doar-se ao Projeto de vida. O corpo não é objeto de posse de alguém, mas a Shekináh divina, que o transforma em expressão sempre maior da criatividade missionária do encontro que salva o outro, que o resgata das estruturas, que o encarcera sob os arquétipos não trabalhados e nem compreendidos. Maria é portadora da alegria daqueles e daquelas que acreditam que o ser humano constitui um todo, criado para exprimir-se como imagem e semelhança da Trindade Santa.

Irmã Maria Freire da Silva
Diretora Geral Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria
Fontes de pesquisa:
PAMI, L`Assunzione di Maria Madre di Dio. 2001.
MANELLI,S,. La Mariologia nella storia dela salvezza, 2014.