WEBMAIL

Amar os inimigos?

Jesus vai conduzindo progressivamente os seus discípulos fazendo-os compreender o que significam as bem-aventuranças. Neste domingo, os ensinamentos vão ao encontro dos “bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”. “Bem-aventurados os que promovem a paz, porque eles serão chamados filhos de Deus”. É neste contexto que o livro do Levítico 19,1-2.17-18 propõe: “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”. O Evangelho de Mateus 5,38-48 termina com a convocação: “Portanto, sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito!”

Olhando para a condição humana e o modo rotineiro de viver dos humanos, os ensinamentos dos textos bíblicos propostos nos deixam desconcertados. Qual ensinamento seguir, os do mundo ou de Jesus? A 1ª carta de São Paulo aos Coríntios 3,16-23 confirma a limitada condição humana e a exalta a sabedoria divina. “Ninguém se iluda: Se alguém de vós pensa que é sábio nas coisas deste mundo, reconheça sua insensatez, para se tornar sábio de verdade; pois a sabedoria deste mundo é insensatez diante de Deus”.

Continuando na modalidade de “ouvistes os que foi dito… eu vos digo” Jesus comenta o dito: “Olho por olho e dente por dente”. Este dito é conhecido como a Lei do Talião ou na nossa linguagem como “justiça retributiva”. Às vezes mal interpretada como “lei da vingança”. É uma lei que está na base do direito antigo e moderno que rege sobre a justiça retributiva e sobre a reintegração proporcional ao direito lesado. Na verdade, o descumprimento desta lei mina o tecido social. Jesus não comenta a legitimidade desta lei e do ordenamento jurídico. O que Jesus pretende é levar os discípulos a uma proposta teológica, isto é, levá-los à lei do amor.

Jesus não diminui a importância do ordenamento jurídico, mas, através de vários exemplos concretos, mostra que a justiça distributiva não é suficiente. O discípulo além de ser justo, precisa ser santo. O exegeta Rinaldo Fabris comenta: “A proposta evangélica se opõe a uma concessão codificada e estática das relações humanas donde o ideal é codificar tudo a todo custo. A alternativa a isto não é simplesmente a não-violência. Mas, do conjunto dos quatro exemplos paradoxais de não-violência se intui que se trata de uma estratégia ativa, inventiva e aberta, voltando a criar um relacionamento novo com o adversário, liberando-o da sua lógica e prática da maldade e injustiça violenta”.

O segundo exemplo de Jesus trata do amor aos inimigos. “Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!” É a proposta para a ética cristã, uma proposta que não conhece limite, reducionismos, distinções, mas que tende idealmente à perfeição de Deus. “Sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito”. Foi o modo como Jesus viveu e se tornou o caminho para o discípulo. Este imperativo do Evangelho se confronta com os instintos naturais de rejeitar e atacar os inimigos. Permanecendo na lógica humana, dizer que amar os inimigos e rezar por eles é algo irracional. O cristão não pode confiar apenas na sua sabedoria, mas deve se abrir a sabedoria divina. Pois somos tratados deste modo como reza o salmo 102: “O Senhor é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo. Não nos trata como exigem nossas faltas, nem nos pune em proporção às nossas culpas”.

Uma boa legislação é necessária para ordenar a sociedade e as relações interpessoais, mas ela não é suficiente para ser cristão. O amor deve encarnar-se nas escolhas cotidianas. É feito de saudações, de oração pelos outros, de pequenos gestos, por um copo de água, de atenção, de paciência e tolerância. Abrir o coração significa tornar-se “manso” e não ficar sempre na defensiva, no próprio orgulho.

Dom Rodolfo Luís Weber – Arcebispo de Passo Fundo