Notícias › 06/11/2017

Arcebispo convida para 74ª Romaria Estadual da Medianeira

Dom Hélio Adelar Rubert – Arcebispo Santa Maria

imagem-medianeiraCom imensa gratidão a Deus estamos por realizar a 74ª Romaria Estadual de Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças em Santa Maria – RS, no próximo dia 12 de novembro. Milhares de romeiros estão se organizando para esta grande festa e romaria da Mãe e Padroeira do Estado do Rio Grande do Sul. A Arquidiocese e a cidade de Santa Maria estão se preparando com a Trezena Móvel desde o dia 29 de outubro e abrindo seus braços e corações para acolher os romeiros.

O tema da Romaria é: “Com Maria, sigamos Jesus”! O lema é o refrão do hino de Fátima: “Ave, Ave, Ave, Maria!”.

É sempre importante fazer memória da devoção à Nossa Senhora Medianeira que iniciou na Bélgica com o Cardeal Desidério José Mercier (1851-1926). Ele defendeu a teologia da mediação de Maria junto ao seu Filho Jesus. O Concílio Vaticano II (1962-1965) registra que Maria “elevada aos céus, não deixou sua missão salvadora, antes, com sua múltipla intercessão, continua a obter-nos os dons da salvação eterna”. É por isso que “a Santíssima Virgem é invocada na Igreja como Advogada, Auxiliadora e Medianeira” (LG, nº 62). Aliás, nesse sentido há um movimento entre leigos e bispos, em vários países, solicitando a proclamação do 5º dogma mariano: “Maria na ordem da graça, Corredentora, Medianeira e Advogada”.

No Brasil, a devoção a Nossa Senhora Medianeira foi iniciada pelo jesuíta Frater Inácio Valle em 1928 com os seminaristas menores do Seminário São José.

Entusiasmados com a devoção, os seminaristas solicitaram à jovem Ida Stefani, irmã de um deles, a pintura ampliada representando a Medianeira. Baseada no “santinho” vindo da Bélgica, a jovem pintou, em sua casa em Passo Fundo e enviou a tela ao Seminário São José. No dia 31 de maio de 1929, numa noite mariana, a tela original foi abençoada e cantado o Hino da Medianeira, composição do arcebispo de Cuiabá – Mato Grosso, Dom Aquino Correa e música do palotino Pe. Jorge Zanchi.

A partir de 1930 a devoção da Medianeira extrapolou o Seminário e a cidade de Santa Maria com as graças e a intercessão da Medianeira para o final da revolução. Os Círculos Operários também espalharam pelo Brasil afora a devoção da Medianeira.

Em 1942 os bispos do Rio Grande do Sul, por unanimidade, escolheram Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças como Padroeira e o arcebispo de Porto Alegre, Dom João Becker a proclamou como nossa Mãe e Padroeira.

Hoje o Santuário Basílica da Medianeira é o lugar das peregrinações e onde o povo encontra a acolhida da Mãe que a todos conduz para seu Filho Jesus, o Salvador.

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.