Destaques › 30/11/2016

Casa Fonte Colombo na Campanha Dia Mundial de Luta Contra a Aids

 

cuide-seAção nacional visa incentivar ao tratamento as pessoas que se descobrem portadoras do HIV

Neste 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids, A Casa Fonte Colombo – Centro de Promoção da Pessoa Soropositiva – HIV, mantida pela Ordem dos Frades Menores Capuchinhos do Rio Grande do Sul, com sede em Porto Alegre (RS), está presente e engajada na Campanha Dia Mundial de Luta Contra a Aids, lançada nesta terça-feira (29), na sede da CNBB, em Brasília (DF), pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB em parceria com o Departamento das IST, HIV/Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

A campanha será realizada pelos agentes da Pastoral da Aids e de outras pastorais nas dioceses do Brasil, a partir do dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta contra a Aids. Entre os principais objetivos estão: sensibilizar a população para buscar o diagnóstico precoce para o HIV; e acompanhar e apoiar as pessoas que se descobrem portadoras do HIV na realização do tratamento precoce, para evitar o adoecimento e ter uma melhor qualidade de vida.

Pelos dados do último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde publicado em 2015, o crescimento de AIDS atinge especialmente a juventude (15 a 24 anos). De 2005 a 2014, a taxa de detecção de casos de AIDS entre aqueles com 15 a 19 anos mais que triplicou (de 2,1 para 6,7 casos por 100 mil habitantes) e entre os jovens de 20 a 24 anos, a taxa quase dobrou (de 16,0 para 30,3 casos por 100 mil habitantes). A maior concentração de casos no Brasil está em indivíduos com idade entre 25 e 39 anos. Em média são registrados 40 mil novos casos por ano no Brasil, sendo destes 8,5 mil na região Sul. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2015, 35% das novas infecções pelo HIV no mundo ocorreram em jovens com idades entre 15 e 24 anos.

Pastoral DST/Aids

Antes mesmo da Pastoral de DST/Aids ser institucionalizada, em 2002, pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), para atender a luta contra a epidemia da Aids buscando firmar uma parceria e diálogo entre a Igreja Católica, Organização Sociedade Civil (OSC) e Governo, os freis capuchinhos já estavam envolvidos com esta questão por meio da Casa Fonte Colombo. Seus conhecimentos e atuação com a causa foram fundamentais para a organização e consolidação do trabalho. A Pastoral dedica-se ao enfrentamento da epidemia do HIV/Aids através de uma rede de agentes presente em todo território nacional, responsável pelas ações no campo de acompanhamento de pessoas vivendo com HIV, no controle social das políticas públicas e na prevenção. Dentre estas ações assumiu a bandeira do diagnóstico precoce – incentivo para que as pessoas realizem o teste; aderiu ao movimento internacional de Vigília pelos Mortos de HIV/Aids, no terceiro domingo de maio; e o Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado no dia 1º de dezembro, entre outras ações de conscientização.

Casa Fonte Colombo – Há 17 anos a Casa Fonte Colombo atua na prevenção e assistência aos portadores da doença e na busca de uma melhor qualidade de vida dos usuários. Está estruturada em quatro pilares: a prevenção, o acompanhamento, a reestruturação dos laços familiares e a reinserção social. A equipe é coordenada pelos freis Luiz Carlos Lunardi, José Bernardi e Eduardo Pazinatto e conta com quatro funcionários, 43 voluntários e cinco acadêmicos, no atendimento a 310 usuários mensais.

O atendimento é realizado à tarde, com uma média de 30 pessoas/dia.  São moradores da periferia de Porto Alegre e região metropolitana, a maioria mulheres (65%). O critério para ser aceito é fornecer o exame de saúde que comprove que o usuário tem o HIV. O monitoramento dos resultados dos exames de sangue de CD4 e Carga Viral é fundamental para saber se estão conseguindo aderir tratamento. O monitoramento deste índice é feito pelos médicos e enfermeiras voluntários. O encaminhamento é realizado pelos serviços de saúde da rede assistencial, pelos profissionais de saúde, pelos próprios usuários, pelas paróquias, em visitas aos hospitais pelos freis ou voluntários.

* O nome Fonte Colombo vem de um pequeno vilarejo italiano onde São Francisco submeteu-se a um tratamento médico por causa de uma doença nos olhos.

Para entrevistas contatar o assessor Pastoral da Aids – CNBB, frei Luiz Carlos Lunardi (51) 992719143 ou o secretário executivo da Pastoral da Aids – CNBB, frei José Bernardi (51) 991565248. Outros telefones de contato  51 33466405 ou 51 33955145.

 

Por Margô Segat – Jornalista

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.