Destaques › 28/04/2017

Dom Leomar: “a grande preocupação é formar discípulos e não adeptos do cristianismo”

A entrevista coletiva desta quinta-feira, dia 27 de abril, segundo dia da 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), recebeu o bispo auxiliar de Porto Alegre (RS), dom Leomar Antônio Brustolin, que falou aos jornalistas do tema central do encontro do episcopado. Para o bispo, a questão da iniciação à vida cristã é abordada porque, no fundo, está a preocupação da Igreja no Brasil com a transmissão da fé às novas gerações.

“A grande preocupação é em formar discípulos e não apenas adeptos do cristianismo”, afirmou dom Leomar Brustolin. O bispo contou que a Igreja vive em um momento muito importante que – desde a realização da V Conferência do Episcopado Latino-americano, há dez anos, aqui em Aparecida – se desenvolve a formação de “discípulos missionários”. E é da Conferência de Aparecida que surge uma parte da motivação para a reflexão dos bispos nesses dias, assim como da exortação apostólica do papa Francisco Evangelii Gaudium.

A reflexão do tema também revela uma preocupação com a preparação para os chamados sacramentos de iniciação cristã: o Batismo, a Primeira Eucaristia e o Crisma, quando, de acordo com dom Leomar, muitos entram na catequese, passam um período na Igreja, mas não se vinculam à comunidade. “É preciso então avaliar, analisar que caminhos precisamos retomar. E quando falamos retomar é porque se busca uma fonte muito importante: a iniciação à vida cristã como os primeiros cristãos anunciavam e preparavam aqueles que queriam seguir o caminho – assim se chamava o cristianismo nas origens”, contou.

Outra inspiração para a reflexão do tema central da Assembleia é o Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (Rica). O Ritual de Iniciação à Vida Cristã de Adultos (Rica) é destinado à iniciação de adultos na vida cristã. O Documento da Santa Sé, publicado em 1972 a pedido do Concílio Vaticano II e reeditado no Brasil em 2001, descreve os ritos do catecumenato (processo progressivo de desenvolvimento da fé) e retoma a unidade dos sacramentos da iniciação cristã: o Batismo, a Eucaristia e a Crisma.

Dom Leomar explicou o processo de iniciação que começou a ser aprofundado a partir da publicação do Rica: “A partir de 1972, se aprofunda aquele processo que é feito de um primeiro anúncio, chamado querigma; depois do catecumenato, que é um aprofundamento; o período chamado purificação e iluminação, que é justamente conhecer um pouco mais o encontro com o mistério; e depois mistagogia, que é um período sucessivo, mais relativo a deixar-se conduzir e educar-se pelo mistério”.

Tudo isso pode soar como uma linguagem muito técnica para os catequistas no cotidiano, mas dom Leomar ressaltou que “a missão dos bispos é traduzir essa linguagem de forma muito acessível, concreta e pastoral”.

Conversão Pastoral

O uso da linguagem direta e acessível tem em vista uma mudança de prática, uma “renovação paroquial”, ressaltou dom Leomar. “Eu falo renovação paroquial porque alguém poderia pensar que o tema dessa assembleia seria apenas uma reforma da catequese. Não é! Na verdade, é uma conversão pastoral de toda a comunidade para acolher, inserir e comprometer os novos cristãos”, destacou.

Dom Leomar ainda lembrou do documento 100 da CNBB “Comunidades de comunidades: uma nova paróquia – a conversão pastoral da paróquia” deve ser retomado: “Não podemos ter uma nova iniciação, uma nova proposta catequética se nós também não renovarmos a comunidade. Porque precisamos vincular essas pessoas – crianças, jovens, adultos – neste contexto”.

O texto está estruturado em três partes: o ver, “aprender da história e da realidade”; iluminar, “discernir como Igreja” e o agir, “propondo caminhos”. Algumas sugestões são apresentadas, como nova catequese de preparação matrimonial, o reforço do bispo como o “grande mistagogo, o pedagogo do mistério” e uma reflexão para mudança na ordem dos sacramentos.

Foto: Maurício Sant’ana
 Fonte: CNBB Nacional.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.