Bispos › 21/10/2016

Em que posso ajudar?

Dom Remídio José Bohn – Bispo de Cachoeira do Sul

posso-te-ajudarEsta é uma expressão que caracteriza nossa Romaria Diocesana. A disposição em colaborar das mais diversas formas coroa em feliz êxito este evento, realizado sob a Providência de Deus. Neste ano não foi diferente, apesar das chuvas que faziam trégua justamente nos momentos da procissão, da missa e da bênção da saúde, foi muito animador ouvir esta expressão por parte de pessoas e grupos que se colocavam à disposição para servir. Muitos foram os voluntários que se doaram para o sucesso dessa 22ª Romaria. A todos expressamos a mais profunda gratidão.

Todavia, os frutos da Romaria continuam em atitudes de ajuda mútua na fé e no amor ao longo da vida. Enquanto a tônica do mundo secularizado consiste em colocar o Eu sempre em primeiro lugar para tirar vantagem em tudo, a fé cristã o situa em terceiro lugar. Ou seja, Deus é sempre o primeiro e o Outro é o segundo. O Outro não é um concorrente que devemos aniquilar ou de quem nos defender, mas um irmão com quem colaboramos ou a quem prestamos solidariedade.

Assim entendemos que, também na vida pessoal, sempre há alguém precisando de nossa ajuda, seja de uma palavra amiga, de uma orientação ou simplesmente de alguém que o escute. Enfim, é preciso ver o outro como um ser humano, uma pessoa amada por Deus e que, muitas vezes, precisa resgatar a sua dignidade diante de si mesmo e da sociedade.

Somente poderá compreender os sentimentos do outro quem antes estiver consciente dos seus e aceitá-los. Não há como compreender o outro se antes não houver compreensão de si mesmo. Atitudes de atenção, afeição, ternura, interesse e respeito nem sempre são fáceis de serem transmitidas, mas são essenciais para quem deseja ser um canal de ajuda.

A memória de Deus não é um «disco rígido» que grava e armazena todos os nossos dados, dizia o Papa Francisco na última JMJ, mas um coração terno e rico de compaixão, que se alegra em eliminar definitivamente todos os nossos vestígios de mal.

Segundo a vontade de Deus não basta fugir do mal, é preciso fazer o bem. Não basta ter mãos limpas; elas não podem estar vazias. Por isso, feliz é toda pessoa que realiza este propósito de vida: “em que posso ajudar?”

Tags:

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.