Notícias › 23/11/2017

Padres da Diocese de Montenegro se reúnem em assembleia

Aconteceu na manhã desta quarta-feira, 22 de novembro, a Assembleia anual do Clero da Diocese de Montenegro. O encontro, realizado no Seminário São João Maria Vianney, em Bom Princípio, iniciou às 7h30min, com um café da manhã. Em seguida, o bispo diocesano, Dom Carlos Romulo Gonçalves e Silva, fez a acolhida e uma oração. Depois, Pe. Márcio Weber fez a leitura da ata da última reunião do clero, realizada em setembro, em São Sebastião do Caí.

Então, Pe. Pedro Nicolau Schneider, coordenador da Pastoral Presbiteral na Diocese, iniciou sua fala sobre o tema escolhido para a reflexão na Assembleia: “Presbítero: Discípulo do Senhor e Pastor do rebanho”, inspirado em Atos dos Apóstolos, capítulo 20, versículo 28. Assim, pediu ao Pe. Renato Krause que proclamasse o texto do Evangelho de Atos 20, 17-28. Logo após, Pe. Rafael Groth conduziu um momento de leitura orante do texto proclamado.

Em seguida, Pe. Nicolau propôs uma partilha sobre o último 36º Encontro Regional dos Presbíteros , realizado em São Leopoldo agora em novembro, pedindo que Pe. Hugo Steffen lesse a carta final do encontro e que os padres que participaram o ajudassem na partilha dos temas que lá foram debatidos. O auxiliaram neste momento os padres Hugo Steffen, Pedro Ritter e Renato Krause, além de Dom Paulo De Conto e Dom Carlos Romulo.

O próximo ponto da Assembleia foi a reflexão sobre a escolha do novo coordenador da Pastoral Presbiteral na Diocese de Montenegro, que será Pe. Luciano Royer, pelos próximos dois anos, eleito pela maioria dos votos.

Então, Dom Carlos tomou a palavra, lembrando que esta é sua primeira Assembleia do Clero na Diocese de Montenegro. Agradeceu Pe. Nicolau por aceitar ser o vigário geral e falou sobre as transferências e nomeações, e sobreMontenegro como foram pensadas a partir das necessidades da Diocese. Abordou igualmente a Assembleia Diocesana de Pastoral, realizada no último mês de outubro, no sentido de resgatar o que foi refletido acerca da iniciação à vida cristã. “O importante é que esse tema seja trabalhado, acolhido em nossas comunidades. Precisamos repercutir isso de maneira positiva em cada paróquia. Não basta ter um texto bonito, escrito no Plano de Pastoral. Nosso desejo, e me coloco à disposição para ajudar, é reunir nossas lideranças e olhar a realidade pastoral local nas paróquias, para ver o que precisamos fazer com o objetivo de trabalhar a caminhada da Iniciação Cristã nas comunidades. Agora é a hora de acolher a conversão pastoral, pedida lá no Documento de Aparecida. Se não mudarmos nossa forma de ser comunidade, ninguém será iniciado na fé. Me coloco à disposição para acompanhar as Assembleias Pastorais Paroquiais, como já foi feito em Estrela e em Bom Princípio. E para provocar um encontro com todas as paróquias para nos conhecermos, escutando a realidade da paróquia, no sentido de ver o que podemos fazer para que o Plano de Pastoral Diocesano seja concreto na paróquia, para viver o plano que é de toda a Diocese, começando onde for preciso, e dando novos passos onde a caminhada já começou. Este deve ser um tempo de formação para todos nós”, explicou o bispo.

Logo após, os padres se reuniram por Área Pastoral para definir os representantes, por Área, em cada Pastoral. Dom Carlos reiterou a importância de uma relação concreta da Iniciação à Vida Cristã com todas as pastorais, pois tudo na Igreja se relaciona.

Pe. Pedro falou sobre o processo de criar a Comissão Diocesana da Iniciação à Vida Cristã e sobre a importância de inserir os leigos no processo. “Nós, padres, somos parte da Igreja e não devemos pressupor que os leigos devem receber pronto o que o clero pensa e decide”, pontuou. Em seguida, os padres se reuniram para a definição dos representantes por Área Pastoral e retornaram à plenária.

Dom Carlos colocou em debate a questão da pós-graduação em Teologia, no sentido de definir se haverá nova turma para 2018 ou não, considerando que é preciso no mínimo 40 pessoas para abrir nova turma. Os párocos informaram o número de interessados por paróquia e se formou uma turma com mais de 50 prováveis alunos. Pe. Rogério pediu que os padres fiquem atentos aos e-mails para informar sobre o início do curso.

Pe. Gabriel Bagatini ainda apresentou o Plano da Diocese de Montenegro para a Ação Evangelizadora “Cada Comunidade uma vocação”. O projeto, que envolve 50 dioceses, iniciará na Missa do Crisma de 2018 e não tem data para terminar. “Todos são promotores vocacionais”, proferiu. “Rezar, falar e convidar” são as três palavras-chave da ação evangelizadora.

Após um momento para avisos e comunicações, a Assembleia foi concluída com a bênção final e um almoço de confraternização.

Por Graziela Wolfart, assessora de Comunicação da Diocese de Montenegro

Fonte: www.diocesemontenegro.org.br

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.