Bispos › 01/11/2016

Pastoral da Criança, uma história de amor à vida 

Dom Adelar Baruffi – Bispo de Cruz Alta

 A motivação da missão da Pastoral da Criança é um grande amor à vida, sobretudo onde a vida encontra-se mais frágil. Sua espiritualidadeparte das palavras de Jesus Cristo que diz: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância.” (Jo 10,10). É um organismo de ação social da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), com reconhecimento no mundo inteiro pelo seu trabalho na saúde, nutrição e educação da criança, do ventre materno aos seis anos de vida, com suas famílias e comunidades. Foi criada em 1983 pela médica pediatra e sanitarista Dra. Zilda Arns Neumann (in memoriam). Está presente em todo o Brasil, auxiliando na diminuição da mortalidade infantil. Desenvolveu uma metodologia e espiritualidade próprias. Com poucos recursos e muita doação, pessoas humildes são o Bom Samaritano misericordioso na vida destas famílias.

A Pastoral da Criança atua nas famílias e comunidades. As líderes pertencem à comunidade. Recebem treinamento para este trabalho voluntário, para a mobilização das famílias em atividades de combate à mortalidade infantil e de melhoria da qualidade de vida familiar. O trabalho da líder é o de acompanhar gestantes e crianças carentes de até seis anos de idade, ensinando as mães e demais familiares ações básicas de saúde, nutrição e educação. Visita e acompanha as famílias que tenham gestantes e crianças, sendo presença e apoio constantes. Importante salientar que a Pastoral não tem finalidade assistencial: não distribui ranchos, roupas ou outros.  O grande diferencial da Pastoral da Criança é que não trata somente de questões técnicas de saúde e nutrição. Hoje, em muitos lugares, o poder público realiza ações semelhantes. E isto é um direito dos cidadãos. Mas a líder da Pastoral se faz próxima da vida das mães gestantes, das famílias, visita, ouve, aconselha, consola, ajuda a encaminhar para a comunidade de fé e, também, para as entidades que possam ajudar. A líder da Pastoral se move pela fé em Jesus Cristo. Está realizando esta missão em nome da comunidade na qual está inserida. É uma verdadeira missionária da comunidade, ajudando a viver e celebrar a fé. Por isso, temos a certeza que a Pastoral da Criança é oportuna mesmo quando o poder público realiza o acompanhamento que as crianças têm por direito.

A mortalidade de crianças de menos de um ano nas comunidades onde há Pastoral da Criança chega a ser 50% menor do que naquelas onde a Pastoral não está presente. É dessa forma que se consegue reduzir a mortalidade infantil e a mãe se educa como agente de transformação de sua família e da comunidade. Assim, toda a família cresce e vive melhor.

Em nossa Diocese de Cruz Alta, 1.122 crianças são acompanhadas pela Pastoral da Criança, em 11 paróquias. Somos muito gratos por esta história de amor à vida. Porém, temos ainda um grande desafio, pois somente 9,4% das crianças pobres são atendidas. “A gente não pode estar feliz enquanto não acompanharmos a todas as crianças pobres. Que bom se você pudesse nos ajudar a alcançar essa meta de 100% das crianças pobres do Brasil serem acompanhadas, com este trabalho de fé, de vida, de dedicação e de amor, para que todas as crianças possam ter vida e vida em abundância”(Dra. Zilda Arns).

Pense na possibilidade de ser uma voluntária da Pastoral da Criança!

 

 

1 Comentário para “Pastoral da Criança, uma história de amor à vida ”

  1. Sou líder da pastoral da criança é muito bom.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.