WEBMAIL

Peregrinos de Esperança e Construtores de Paz

 

No 4º Domingo da Páscoa, há 61 anos, celebramos o Dia Mundial de Oração Pelas Vocações. Como é tradição, o Papa sempre escreve uma mensagem motivando esta iniciativa, que começou com o Papa São Paulo VI. Nesta edição, o Papa Francisco nos convida a refletir sobre o precioso dom do chamado que Deus direciona a cada um de nós, seu povo fiel em caminho. É uma oportunidade para considerar como podemos participar no projeto amoroso de Deus e expressar a beleza do Evangelho em nossas vidas.

A escuta do chamado divino não é algo imposto, mas sim a maneira mais segura de alimentar o desejo de felicidade que reside em nossos corações desde antes nascermos. Descobrir quem somos, nossas qualidades, e como podemos contribuir para o amor, acolhimento, beleza e paz no mundo é essencial para nossa realização e plenitude.

Neste Dia é importante reconhecer e agradecer o compromisso daqueles que abraçaram vocações como uma opção de toda vida. Desde mães e pais que se dedicam ao cuidado e crescimento dos filhos, até pessoas que trabalham diligentemente pela justiça e solidariedade em diferentes áreas, e aqueles que se consagram ao serviço do Senhor em oração ou na ação apostólica, todos desempenham um papel crucial na construção de um mundo melhor. O espírito sinodal nos convida a escutar uns aos outros e a caminhar juntos para discernir como podemos servir o bem comum.

À medida que nos aproximamos do Ano Jubilar de 2025, somos chamados a nos preparar para ser portadores e testemunhas do sonho de Jesus: construir uma única família unida no amor de Deus e na fraternidade. A oração desempenha um papel fundamental nesse processo, pois nos conecta com a vontade de Deus e nos impulsiona a ser peregrinos abertos ao diálogo com o Senhor e comprometidos com a construção de um mundo mais justo e fraterno.

Ser peregrino de esperança significa ter clareza sobre nossa meta, se concentrar no presente e estar disposto a recomeçar sempre, enfrentando os desafios com fé e determinação. Como construtores de paz, “na variedade dos carismas e ministérios, todos somos chamados a dar corpo e coração à esperança do Evangelho neste mundo marcado por desafios epocais com (…) o aumento constante dos pobres e o perigo de comprometer irreversivelmente a saúde do nosso planeta”.

Oremos para que cada um de nós, em seu lugar e estado de vida, se torne um semeador de esperança e paz, respondendo à vocação que nos foi confiada com coragem e generosidade. Levantemo-nos, envolvamo-nos e sejamos peregrinos de esperança, comunicando a alegria do Evangelho, gerando vida nova e sendo construtores de fraternidade e paz em nosso mundo.

Francisco conclui a mensagem com um apelo direto: “Levantemo-nos, pois, e ponhamo-nos a caminho como peregrinos de esperança, para que também nós, como fez Maria com Santa Isabel, possamos comunicar boas-novas de alegria, gerar vida nova e ser artesãos de fraternidade e de paz”.

 

Dom José Mário Scalon Angonese – Bispo Diocesano de Uruguaiana