Notícias › 30/10/2017

Toma posse o 2º bispo da Diocese de Montenegro

Em missa solene realizada na noite da última sexta-feira, dia 27 de outubro, na Catedral São João Batista, tomou posse oficialmente como bispo da Diocese de Montenegro, Dom Carlos Romulo Gonçalves e Silva. Ele sucede o primeiro bispo da Diocese, Dom Paulo Antonio De Conto, que teve sua renúncia aceita pelo Papa Francisco no último dia 18 de outubro, tornando-se bispo emérito desta Igreja particular.

A cerimônia de posse foi realizada em meio à Assembleia Diocesana de Pastoral, que aconteceu na sexta-feira, dia 27 e no sábado, dia 28 de outubro, reunindo o clero, religiosos e lideranças leigas da Diocese. A missa de posse contou com a presença de Dom Jaime Spengler, arcebispo da Arquidiocese de Porto Alegre e presidente do Regional Sul 3 da CNBB, e de Dom Clemente Weber, bispo emérito da Diocese de Santo Ângelo, além dos padres da Diocese de Montenegro, representantes de autoridades civis e lideranças de outras denominações religiosas de Montenegro.

02A celebração teve início na porta de entrada da Catedral, quando Dom Paulo De Conto entregou a Dom Carlos Romulo um crucifixo, representando a Igreja de Cristo. Já no altar, após a procissão de entrada, Dom Paulo saudou a todos, dizendo que sentia o coração leve, de alguém que ama e que perdoa. “Me sinto hoje muito feliz. Peço perdão a todos e agradeço. Sinto que cresci no amor. Minha gratidão a essa Diocese”. Com estas palavras, passou o báculo, que representa o governo diocesano, para as mãos de Dom Carlos, gesto que foi aplaudido efusivamente por toda a comunidade presente. E assim, passou também ao novo bispo diocesano a presidência da celebração.

11

Dom Paulo passa o báculo a Dom Carlos, representando a entrega do governo diocesano

Em sua homilia, Dom Carlos falou sobre o fato de a posse ser durante a Assembleia Diocesana de Pastoral: “todos os carismas e ministérios da Igreja se dão no Plano Diocesano de Pastoral. Escolhemos esta data para a posse por ser um momento muito importante em nossa Igreja”. Em seguida, refletiu sobre a liturgia do dia e sobre o envio dos 72 discípulos para anunciar o Evangelho. “É preciso estar despojado para anunciar Cristo, para que o Evangelho apareça. Jesus nos fala da messe. Assim, lembramos da bonita missão que nossa Igreja já está fazendo, de ir de casa em casa, com espírito missionário, sendo uma Igreja em saída, como nos pede o Papa. Quando entramos nas casas para, com alegria, anunciar Jesus, estamos fazendo um caminho de vivência do Evangelho. No entanto, temos tantas outras oportunidades de ser uma Igreja missionária: no cuidado com os enfermos, com os enlutados, na preparação para a Eucaristia, a Crisma, para o matrimônio, na experiência vivenciada com os movimentos e pastorais. Essas são todas oportunidades para vivermos a experiência da Igreja em saída, para vivermos em comunidade”, explicou. Dom Carlos esclarece que a saída para a missão tem sentido quando o povo de Deus cria comunhão e vive em comunidade. “A comunidade alegre vive a oportunidade do encontro. Já temos um nome tão bonito que Dom Paulo nos deu: Diocese da Alegria. Que em cada ambiente de nossa Igreja possamos viver a oportunidade do encontro. Estou aprendendo com vocês. Todas as pessoas que encontro são uma grande escola. Ano que vem nossa Diocese completa 10 anos. Que cada comunidade transpire essa alegria. Nesse sentido, escolhi como meu lema episcopal ‘Servi ao Senhor com alegria’, para estar em sintonia com a vibração desta Igreja. Continuemos unidos a Dom Paulo, que escolheu permanecer conosco. Sejamos uma Igreja que dá testemunho nas casas. Que sai em missão e que vive em comunidade, porque esta se constrói com amor, com entrega, com serviço. Ao final de casa missa somos enviados, porque Cristo nos alimenta”, concluiu.

14Ao final da celebração, Dom Jaime Spengler parabenizou Dom Carlos pela posse e pela escolha da data, em função de ser junto à Assembleia Diocesana de Pastoral. “Nosso grande desafio hoje na Igreja é a transmissão da fé às futuras gerações. A iniciação à vida cristã deve ser um sinal de esperança para nosso povo. Dom Carlos, que em teu ministério a transmissão da fé seja um sinal de esperança; que tu possas ser sinal do Bom Pastor nesta Igreja e que desenvolva teu caminho de forma evangélica. A Dom Paulo, que chega aos 75 anos, quero dizer muito obrigado, em nome do Regional Sul 3 da CNBB, pelo seu jeito simples, paterno, às vezes até materno, de ser. Que possa continuar prestando seus serviços à Igreja como um pai, um irmão. O melhor elogio que podemos ouvir é quando se constata que o caminho que trilhamos foi bem feito, com uma vida bem vivida”, proferiu.

Antes da bênção final, Dom Carlos chamou à frente do altar todos os seminaristas da Diocese e pediu que o povo sempre reze pelas vocações.

Ao final da missa, foi feita uma confraternização com um jantar no Salão Paroquial da Catedral.

10

Texto e fotos: Graziela Wolfart, assessora de Comunicação da Diocese de Montenegro.  

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.