Sem categoria › 09/06/2017

Último dia da Assembleia da Ação Evangelizadora Regional

Nesta sexta-feira (09) ocorreu a conclusão da Assembleia da Ação Evangelizadora do Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), no Centro de Espiritualidade Cristo Rei (Cecrei), em São Leopoldo (RS). O último dia foi dedicado para comunicações e organização da agenda para o próximo ano.

Campanha da Fraternidade 2018

A Campanha da Fraternidade (CF) de 2018 terá o tema: “Fraternidade e Superação da violência” e lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8). Com o objetivo geral: “Construir a fraternidade promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”.

Os participantes da assembleia refletiram sobre a necessidade de buscar o sentido da CF. Os bispos sublinharam a importância de trabalhar a CF com os organismos da sociedade, envolver as prefeituras e secretarias municipais. Envolvimento das Pastorais Sociais neste processo.

Encontro de Natal de 2017

Padre Clair Favreto, da OSIB (Organização dos Seminários e Institutos do Brasil) chamou a atenção para os índices de violência ao citar que uma das cidades mais violentas do Brasil é o município de Alvorada que ocupa a 14° posição.

Nos Encontros de Natal surgiu a ideia de trabalhar o tema da paz: “Natal: tempo de construir a paz”. Com a metodologia da Leitura Orante (um itinerário bíblico vivencial). Um livreto contendo quatro encontros para a promoção da Paz artesanal na família, nos grupos solidários e na comunidade. A celebração de abertura, celebração penitencial e encontro catequético.

Padre Clair frisou a necessidade de recuperar o simbolismo do Natal. Já dom Leomar Brustolin chamou a atenção para “encontrar caminhos para tornar o Natal mais visível. O gaúcho é pouco resistente ao simbologismo de Natal e precisa buscar interatividade”, lembrou.

Serviço de Evangelização da Juventude

Dom Adelar Baruffi, bispo de Cruz Alta e referencial da Evangelização da Juvetude formação, estrutura e acompanhamento e missionariedade. Ouvir os jovens através de questionário sobre o Sínodo.

Segundo Ir. Zenilde Fontes, coordenadora do Serviço de Evangelização da Juventude, o desafio hoje é o de ouvir a juventude. “Construímos um instrumento de estudo que apontará a realidade”, reiterou Zenilde.

Lembrou Zenilde que haverá o Primeiro Seminário de práticas de evangelização da juventude. Será em agosto em Santa Maria (RS) e a Semana Missionária de 17 a 23 de julho próximo, em Porto Alegre (RS).

Na ocasião foi apresentado o novo coordenador do Setor de Evangelização da Juventude: Pe. Rudinei Zorzo, da Diocese de Caxias do Sul. Ir. Zenilde entrega a gestão no dia 31 de dezembro. Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre e presidente do Regional Sul 3, agradeceu com grande reconhecimento o trabalho prestado pela Ir. Zenilde nos últimos seis à frente do serviço com a juventude do RS.

Fundo Estadual da Solidariedade

Dom Rodolfo Weber apresentou a finalidade de fomentar mais as pastorais sociais junto às arquidioceses e diocese do RS. “O Fundo privilegia a formação, articulação e organização das atividades em nível regional”, esclareceu dom Rodolfo.

“A valorização das Coletas da Solidariedade e da Evangelização tem um significado litúrgico, religioso e espiritual”, salientou dom Zeno. Dom Jaime apontou possíveis causas para esta situação, como, por exemplo, “a falta de comunhão eclesial, de senso de pertença e corresponsabilidade”. .

“No contexto em que vivemos, não seria conveniente mostrar para a sociedade um pouco mais de visibilidade de nossas ações. Esse lado poderia despertar uma consciência mais forte no povo”, frisou dom Jaime.

Para a leiga Genacéia Alberton, a transparência na gestão da aplicação de recursos; o dízimo, por exemplo, fortaleceria o sentido de pertença. A transparência de prestação de recursos.

Ainda sobre os projetos sociais, dom Rodolfo sugeriu a necessidade de criação de orçamento para todas as pastorais do Regional.

Pastoral da Criança e da Pessoa Idosa

A coordenadora regional da Pastoral da Criança, Marli Ludwig contou que no RS se atende cerca de 34 mil crianças. Lembro a Campanha dos Reis Magos que foi realizada em 16 dioceses do Brasil envolvidas. No RS, foi realizada nos três vicariatos da Arquidiocese de Porto Alegre. “Foi uma experiência positiva”, destacou.

O grande desafio da Pastoral da Criança no RS é a escassez do voluntariado.  “Dra. Zilda Arns dizia que o seu coração estava inquieto”, frisou Marli.

Apesar dos desafios há sinais de esperança e responsabilidade surgindo. Essa é a missão da Pastoral da Criança junto às comunidades mais pobres.

A Pastoral da Pessoa Idosa passa pela dificuldade de implantação nas paróquias e atendimento aos idosos mais fragilizados.

Pastoral do Migrante

O padre Márcio é o novo coordenador da Pastoral do Migrante do Regional Sul 3 da CNBB e lembrou o espaço de atendimento aos migrantes, o tema presente na migração, o espaço de orientação e referência. “Hoje Trabalho a ser realizado é o levantamento do número de migrantes presentes no estado. Nesse sentido, pede a colaboração das dioceses, através das pastorais sociais”, frisou.

Pastoral da Aids, da Sobriedade e da Saúde

Dom Ricardo Hoepers, bispo da diocese de Rio Grande, é também o referencial da Pastoral da Aids, da Sobriedade e da Saúde, e contou que ao visitar o trabalho do frei Lunardi constatou um crescimento significativo do vírus entre a juventude, índice alto entre os idosos e frisou a necessidade de maior  divulgação da Vigília dos mortos pela Aids.

Rinaldo Alberton da diocese de Novo Hamburgo falou sobre o Programa de Vida Nova. São cinco ciclos, que engloba cada um 12 passos. No RS, a Pastoral da Sobriedade está engatinhando. Na Diocese de Novo Hamburgo, Rinaldo Alberton é o coordenador diocesano da Pastoral da Sobriedade. Lembrou que no RS apenas nove dioceses há algum trabalho de Pastoral da Sobriedade.

A Pastoral da Saúde trabalha a partir de três dimensões: “assistência solidária, comunitária e política. Há Pastoral da Saúde em todas as dioceses e algumas mais organizadas e outras não”, lembrou a coordenadora Ir. Elise..

Dom Ricardo chamou a atenção para importância de a Pastoral da Saúde ter representatividade nos conselhos municipais.  Dom Jacinto Bergmann, da Arquidiocese de Pelotas, trouxe a experiência de um projeto: a instituição do Ministério dos visitadores de doentes.

CPT e Cáritas  

A violência no campo com o assassinato de índios e sem-terra tem aumentado nos últimos tempos. A Cáritas do RS está a serviço do Regional. “Também somos uma entidade de assistência social. Treze que tem ação organizada de Cáritas”, disse Marines Besson.

Pastoral Familiar

Dom Zeno ainda lembrou que a Pastoral Familiar esta com nova reorganização, nova direção e atendendo as cinco urgências.

Ano do Laicato

A Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), está reunida na sede da entidade, em Brasília (DF), para preparar as atividades que serão realizadas durante o Ano do Laicato. A abertura será na festa de Cristo Rei, que este ano será celebrada dia 26 de novembro e segue até a mesma festa em 2018.

 

Por Dorcelina Gomes e Judinei Vanzeto – PASCOM RS

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.