Artigos, Bispos › 12/09/2022

A Casa da Palavra

Nas origens do cristianismo, a Igreja não existia próxima às casas particulares dos fiéis, mas dentro delas, no seu núcleo. Partindo de Atos 18,8, percebemos como famílias inteiras se converteram pela escuta do primeiro anúncio da fé, e a sua própria residência se convertia em lugar de celebração litúrgica.  Uma família animava a outra e, assim, a Igreja se apresentava como uma grande família de famílias.

Nas comunidades paulinas, a Igreja reunida em casas, quando se liam os Evangelhos ou se proclamava a Palavra, se fazia com a consciência de estar diante da Palavra revelada, diante de uma revelação fundante, uma revelação direta que transmite a própria vida de Deus e sua salvação. De casa em casa, se leva a Palavra de Deus e o testemunho apostólico até chegar a Roma, onde Paulo, fez de uma casa, o seu centro de atividades e reuniões.

Dessa forma, se descobre, na pequena comunidade eclesial, a necessidade contínua de discernir, interpretar e anunciar a experiência de vida de Deus, que se recebe por meio da Palavra. Essa Igreja que se reúne nas casas suscita que as famílias façam a experiência do encontro com o Cristo-Palavra, para que elas possam deixar-se moldar interiormente e formar os membros da Igreja Doméstica.

Os Bispos, em 2007, em Aparecida, reconheceram que as pequenas comunidades eclesiais “são um ambiente propício para escutar a Palavra de Deus, para viver a fraternidade, para animar a oração, para aprofundar processos de formação à fé e para fortalecer o firme compromisso de ser apóstolos na sociedade de hoje” (Documento de Aparecida, n. 308).

A comunidade é chamada a criar espaços de fé onde é possível experimentar a presença do Ressuscitado. Partilhar a Palavra e celebrar a Eucaristia juntos faz com que seus membros, pouco a pouco, vivam numa comunidade santa e missionária.

Uma paróquia, comunidade ou capela, para serem comunidades eclesiais missionárias, devem se constituir pela Eucaristia e na escuta da Palavra de Deus, especialmente por meio da Leitura Orante da Bíblia, por ela as pessoas verificam sua vida, seu comportamento e alimentam sua fé.

A Leitura Orante da Palavra de Deus permite escutar o Mestre fazendo da sua Palavra o farol que ilumina os passos de quem caminha neste mundo com seus desvios e atalhos. Nesse sentido, o Papa Francisco sustenta que “a devoção à Palavra de Deus não é apenas uma dentre muitas devoções, uma coisa bela, mas facultativa. Pertence ao coração e à própria identidade da vida cristã. A Palavra tem, em si mesma, a força para transformar a vida”.

Nas comunidades eclesiais missionárias, a Palavra de Deus é lida e rezada para iluminar a vida das pessoas com suas angústias e esperanças, tristezas e alegrias. São formadas por poucas pessoas, para viverem uma vida comunitária no sentido evangélico, valorizando a gratuidade, a espontaneidade, a igualdade de propósitos e a comunhão de sentimentos. Elas mantêm um vínculo com a paróquia nos sentidos organizativo e sacramental. A Eucaristia, cume da experiência cristã, reúne todas as comunidades na Paróquia. “O encontro com Jesus nas Escrituras conduz-nos à Eucaristia, onde essa mesma Palavra atinge a sua máxima eficácia, porque é presença real d’Aquele que é a Palavra viva” (Gaudate et Exsultate n. 157).

+ Dom Leomar Antônio Brustolin – Arcebispo Metropolitano de Santa Maria