Artigos, Bispos › 04/03/2020

Acolher a Proposta de Deus

Deus não desiste da humanidade. Ele tem para todos um projeto de vida e de amor. Sua vontade é o desejo de vida, de transformação radical do mundo como espaço de bênção, de dignidade e de santidade. Ele ama a justiça e a retidão.

O olhar de Deus repousa sobre aqueles que acreditam que é possível elevar este mundo, que é possível vencer o pecado e a morte. E a resposta que Ele espera passa pela simplicidade e humildade de cada pessoa que aceita deixar, perder, ir, arriscar, estar em saída, comprometer-se e dar-se.

Para ensinar-nos isto, veio Jesus Cristo dom e entrega do Pai. Ele é o centro. Conhecê-Lo, amá-Lo e segui-Lo é o fundamental convite que nos é feito.

Para animar os seus discípulos diante dos acontecimentos que se vão realizar com a Sua paixão dolorosa, sua morte e sua ressurreição, Jesus Cristo manifesta-se de forma maravilhosa, e se faz partilha como experiência única de transfiguração, que antecipa a vitória e a glória.

Todos somos convidados a crer que a transformação radical da vida e do mundo passa pela nossa entrega na comunhão mais profunda com a vontade de Deus. Ele não se importa da nossa fraqueza na medida em que ela nos ajuda a sermos humildes, dóceis, a acolher e a comprometermo-nos com generosidade nesta obra fundamental.

Em Cristo transfigurado se transfigura todo o homem. Em tantos contextos e tantas situações somos chamados e enviados a ajudar a humanidade a valorizar e descobrir a beleza da vida, das pessoas, sobretudo dos frágeis. Somos chamados e enviados a transformar, pela doação da nossa vida, aquelas situações e contextos em que os rostos e as pessoas foram desfigurados pela escravidão dos ídolos. É nossa tarefa principal fazer resplandecer a sua beleza e glória que emerge do mistério da encarnação e culmina na Páscoa do Senhor morto e ressuscitado.

Somos chamados a seguir pelo caminho da cruz. Caminho de esperança e de fecundidade.

Somos convidados a ver quantas maravilhas o mistério pascal de Cristo tem operado ao longo dos séculos. Quanta beleza densa e historicamente fecunda em pessoas, em obras, em instituições. Ver pequenos e grandes sinais de ressurreição e do ressuscitado.

Ao olharmos este longo percurso que Cristo faz conosco, mais entusiasmo devemos sentir para celebrar a alegria da nossa fé; a beleza e a glória da Palavra de Deus; o dom excelso que é Cristo presente, vivo e atuante na História; a beleza da fecundidade dos seus discípulos que saíram de si para amar, para construir, curar, abençoar, abraçar a glória que é a Cruz do Senhor.

Somos convidados a fazer de nossa vida um constante sair para servir, estar onde é necessário, dar-se numa entrega geradora de vida e de esperança.

Fraternidade e Vida: Dom e compromisso

“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lucas 10,33-34)

Dom Antônio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen