Artigos, Bispos › 08/04/2022

Amor, compaixão e reconciliação

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Com a celebração do domingo de ramos iniciamos a Semana Santa. Dando continuidade à caminhada do tempo da Quaresma, como povo de Deus a caminho da casa do Pai, queremos viver toda a riqueza espiritual deste tempo, celebrando os acontecimentos que tocaram a vida do Senhor Jesus, mas também o amor, a compaixão e a misericórdia de Deus, que tocam o nosso coração, a nossa vida e a nossa caminhada de fé.

Pode acontecer que vivendo uma vida cristã pouco participativa, você tenha deixado a sua vida mergulhar num mundo de sombras, que levou à perda da sua confiança no amor, na compaixão e na misericórdia de Deus. Essa falta de confiança em Deus e na sua misericórdia pode ter levado você a não mais acreditar na capacidade de Deus o perdoar, julgando que para você não existe mais a possibilidade de salvação, porque já não merece o perdão. Mas deixar de acreditar na misericórdia de Deus é talvez o nosso pecado, porque subestimamos o poder do amor e da misericórdia do Pai, e nos condenamos, quando Deus quer nos salvar. Na verdade, ninguém de nós merece o perdão de Deus. Ele nos oferece pela sua misericórdia.

Nas celebrações da semana santa nos deparamos com o pecado da humanidade, na paixão do Senhor. Mas, espiritualmente, podemos perceber a força de um amor que é capaz de perdoar as fragilidades humanas, que ferem a nossa vida e a vida dos nossos irmãos e irmãs. Participando das celebrações da semana santa, queremos manifestar que o nosso coração tem sede de Deus, e quer seguir Jesus até o Calvário, para poder participar da glória da sua ressurreição. Portanto, deixe, estimado irmão, estimada irmã, que o amor, a compaixão, e a misericórdia do Senhor toquem o seu coração e o faça renascer espiritualmente, para que possa viver com dignidade a vida de filho ou filha amado de Deus.

São Leão Magno, Papa, em um dos seus Sermões, dizia que “a cruz de Cristo é fonte de todas as bênçãos e origem de todas as graças. Que a nossa inteligência, iluminada pelo Espírito da Verdade, acolha com o coração puro e liberto, a glória da cruz que se irradia pelo céu e a terra; e perscrute, com o olhar interior, o sentido destas palavras do Senhor, ao falar da iminência de sua paixão: Chegou a hora em que o Filho do Homem vai ser glorificado” (Jo 12,23).

+ Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul