Artigos, Bispos › 02/04/2019

Este é o penúltimo domingo da quaresma

Estamos no penúltimo domingo da quaresma e da Campanha da Fraternidade. Neste final de semana, os padres estarão avisando que, no próximo domingo, no domingo de ramos, cada família deverá trazer o seu envelope da Campanha da Fraternidade.

Este é o domingo em que nos encontramos com a pregação de Isaías, que diz a respeito de seu povo: “Este povo eu o criei para mim e ele cantará meus louvores” (Is 43,21). Vamos então agora cantar os louvores do Senhor, já que Ele tem sido tão bom para conosco.

Já São Paulo, na Carta aos Filipenses, louva ao Senhor pela alegria de: “Pela vantagem suprema de conhecer Jesus Cristo, meu Senhor… A graça suprema consiste em conhecer a Cristo, experimentar a força de sua ressurreição, ficar em comunhão com os seus sofrimentos…  Corro direto para a meta, rumo ao prêmio que, do alto, Deus me chama a receber em Cristo Jesus” (Fil 3,4-14).

Para Paulo, o encontro havido com o Cristo ressuscitado, lhe dava a força necessária para não mais temer os obstáculos e caminhar de cabeça erguida, cheio de esperança, ao encontro definitivo com o Senhor.

No Evangelho, Jesus é colocado diante da mulher, surpreendida em flagrante adultério. E a pergunta veio pronta: “Moisés na lei mandou apedrejar tais mulheres. Que dizes tu?” (Jo 8,4-5). Não se fala do homem que com ela estava, simplesmente, o problema era esta mulher.

Jesus faz como se não ouvisse a pergunta. Começou a escrever com o dedo na areia. Mas, como eles insistissem com a pergunta, ele se levantou e disse: “Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra” (Jo. 8,7).

Todos sabem as consequências daquele desafio. Um após outro foram largando suas pedras e foram saindo cabisbaixos, começando pelos mais velhos. Depois Jesus se levantou e disse para a mulher: “Eu também não te condeno. Podes ir, mas de agora em diante não peques mais”.

Este é também o convite que Jesus nos faz nesta quaresma, enquanto estamos refletindo sobre a Campanha da Fraternidade. O pensamento voltado para as políticas públicas, o tema: “Serás libertado pelo direito e pela justiça”, é claro que  nós todos nos sentimos pecadores. Não estamos em condições de atirar pedra nos outros.

+ Dom Zeno Hastenteufel – Bispo Diocesano de Novo Hamburgo