Artigos, Bispos › 14/01/2022

“Fazei o que ele vos disser”

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Em todas as culturas, uma festa de casamento é sempre um momento especial na vida dos noivos, de suas famílias, dos convidados e nas comunidades. É um momento marcado por amor e sentimentos, que transmitem alegria, comunhão e esperança, porque nos mostra que mesmo em meio a tantas situações que ferem a vida e a dignidade das pessoas, o coração humano não deixa de amar e manifestar amor e ternura, na guerra e na paz.

As Sagradas Escrituras trazem inúmeros relatos de casamentos, realizados segundo os ritos e os costumes da época. Mas no texto do Evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 2,1-11), merece destaque o casamento realizado em Caná da Galiléia. O acontecimento em si, certamente movimentou a pequena Caná, lá estava Maria a mãe de Jesus, mas também Jesus e os seus discípulos, pois tinham sido convidados para as bodas. Mas o que fez com que “as bodas de Caná” fossem lembradas e narradas pelo evangelista João não foi a presença dos convidados; foi a atitude da mãe de Jesus, dirigindo-se ao filho, disse: “Eles não têm mais vinho”. Ela não pede um milagre, mas manifesta a Jesus uma situação constrangedora para os noivos e suas famílias. Maria não pede e não pergunta nada a Jesus, apenas exprime a sua preocupação em relação às pessoas que estão em dificuldades, ela confia na sensibilidade do filho, por isso disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. É Jesus quem toma a iniciativa.

Em Caná, núpcias e vinho indicam os tempos messiânicos, que se realizam agora na pessoa de Jesus. Nele se celebra o novo e definitivo pacto nupcial entre Deus-Esposo, em Jesus, e a humanidade-esposa, simbolicamente representada por Maria. Em Caná, Maria nos ajuda a compreendermos que também nas situações difíceis que tocam a nossa vida, a vida da nossa família, existe sempre algo que se pode fazer para amenizar a situação e a dor dos acontecimentos, começando pela escuta e a obediência com seriedade da Palavra de Deus! Deixando que ela revigore a nossa fé, alimente a nossa esperança de filhos e filhas amados do Pai.

Na narração das bodas de Caná, Maria nos mostra um olhar de mãe, atento e contemplativo, cheio de atenção às pessoas. Para o evangelista João, Caná é um sinal, que pode ser considerado um anúncio sintético daquilo que o Senhor fará, até quando realizará as núpcias com toda a humanidade sobre a cruz. A narrativa das bodas de Caná é o símbolo da nova e definitiva aliança entre Deus e o seu povo, em Cristo Jesus. E Jesus, através do “milagre” de Caná, nos ensina que lá onde o vinho do amor, da paz, da justiça e da partilha, cede lugar à indiferença e ao egoísmo, a sua presença faz reflorescer a festa da vida marcada pela alegria, pelo amor solidário que consegue ver a necessidade do outro.

+ Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul e Presidente da CNBB Sul 3