Artigos, Bispos › 27/01/2021

Fazer bem o bem que fazemos

O que gostaria enfatizar com esse título que estou dando a minha reflexão? Que fazer coisas boas, evidentemente, é bom. Mas a bondade perde sua força pelas motivações com que se faz ou com o modo como se faz. A motivação tem que ser a caridade (o amor), o desejo sincero de edificar os irmãos e incentivá-los para serem sempre melhores e viverem uma amizade sincera não só com as pessoas individuais, mas também com o conjunto da sociedade.

O Papa Francisco fala de “amizade social”, que ultrapassa as fronteiras do amor individual, que possibilita abertura para a prática de um amor universal e o reconhecimento da existência de espaços para a atuação de todas as pessoas. É globalizar o amor sem destruir as virtudes singulares de cada pessoa e de cada povo, reconhecendo a riqueza da unidade sem fazer que todos sejam iguais.

É importante olhar para a parábola do bom samaritano. Quem passava pelo caminho via um homem caído e ia adiante, não o considerava próximo. Talvez fosse um incômodo, ou um “ninguém”, totalmente sem identidade e estranho a todos. Mas um transeunte estrangeiro, samaritano, interrompe sua viagem, muda seus planos e se coloca a serviço de alguém que precisava de sua ajuda fraterna.

Hoje temos grupos que se organizam, se fecham em seus ambientes e impedem a presença de qualquer estranho. Existe medo da perda de privilégios, confortos e benefícios pessoais. Nesse contexto, só é próximo quem defende determinados interesses do grupo.

No espírito da globalização do amor, todos os seres humanos são iguais e não podem viver numa atitude de mundo fechado. A soma de interesses individualistas não consegue melhorar o mundo e nem a humanidade. São práticas que impedem a construção do bem comum e o respeito com a pessoa humana. Os feridos e humildes não são reconhecidos naquilo que é fundamental, a dignidade pessoal.

Na mentalidade atual, não há interesse em investir nas pessoas frágeis, porque elas não são rentáveis para certos sistemas econômicos, políticos e ideológicos. Há o domínio da liberdade de mercado que dá primazia para o aspecto da eficiência. Isso significa não dar espaço para quem não consegue se destacar na capacidade de produção, esvaziando o sentido de fraternidade, liberdade, solidariedade, etc.

Nesse momento nós brasileiros estamos escutando um grito de socorro que vem da Amazônia. Não basta juntar dinheiro e mandar de qualquer jeito para dizer “ajudamos”. Esse gesto de fraternidade será realmente bom se for acompanhado com espírito de verdadeira amizade, ou seja, de estima pelo que de fato são, irmãos e irmãs nossos.

Para refletir: Costumo participar das iniciativas e campanhas de solidariedade? Quais são minhas motivações em fazê-lo? Ajudo com boa disposição e alegria ou por simples desagravo de consciência? Consigo perceber alguma diferença entre oferecer algo e o doar por uma motivação de fé e caridade cristã?

Textos bíblicos: Dt 18, 15-20; Mc 1, 21-28; Sl 94

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo de Osório