Artigos, Bispos › 05/08/2021

Jesus é o Pão da vida

Mais uma vez, na Sagrada Liturgia, aparece hoje o riquíssimo tema do pão.

Vemos, na 1a Leitura (1 Reis 19,4-8) como o profeta Elias foge para o deserto, depois de ter enfrentado falsos profetas e de ter oferecido a Deus um sacrifício que o Senhor aceitou. Em um momento difícil de sua vida, o profeta reage de forma humana, ou seja, não confia totalmente em Deus, e por isso, foge, chegando até a pedir a morte para Deus.

Naquele momento dificil, sentindo-se abandonado por Deus, Elias mostra-se como um ser humano qualquer. Nós também, frente às dificuldades e sofrimentos desta vida, tantas vezes sentimos a mesma fraqueza e abandono. Parece que Ele está longe de nós.

É precisamente neste momento de fraqueza, que Deus se revela a Elias como Aquele que cuida, que ampara. Da mesma forma Deus age conosco, dando-nos a coragem necessária para continuarmos nosso caminho pela vida. Nunca percamos esta certeza: Deus sempre cuida de nós. Ele está sempre atento aos nossos sofrimentos e às nossas dificuldades. Elias recebe de um anjo o alimento que lhe dará forças para caminhar até o Monte Horeb, ao encontro de Deus. Nós também recebemos de Deus o alimento que nos devolve a confiança e a força necessárias para continuarmos nosso caminho neste mundo, em direção ao céu.

O Apóstolo São Paulo, na 2a Leitura (Efésios 4,30-5,2) desce a pormenores práticos, para que entendamos com clarerza aquilo que, nesta vida, devemos evitar ou fazer. São Paulo propõe um modo de viver, fundamentado em Cristo, até nos mínimos detalhes. A mensagem do Apóstolo das Gentes, neste trecho é a de que devemos assumir a personalidade de Cristo, seus valores, suas ações e até mesmo suas intenções e sentimentos. É este o sentido de compreensão de que somos chamados a ser “imitadores de Deus”. Imitar a Cristo significa viver na mais comprometida fidelidade a Deus e aos irmãos.

O texto do Evangelho deste Domingo (João 6,41-51) nos apresenta a murmuração dos judeus contra Jesus, por Ele ter-se apresentado como Pão da vida. Nosso Senhor diz que eles tem o coração endurecido, pois não se deixam ensinar pelo Pai. Estão fechados à Graça e não reconhecem em Jesus o Salvador do mundo. Frente a estas oposições, Jesus reafirma que Ele é o Pão da vida e que aquele que deseja ter esta vida, que é eterna, deve comer deste Pão.

A vida, muitas vezes está cheia de acontecimentos e situações que nos desafiam, que nos entristecem e nos desanimam. Quantas vezes nos defrontamos com situações difíceis de serem entendidas e de serem enfrentadas. Todos sentimos fome de compreensão, de atenção e de ajuda.

Jesus hoje se apresenta como Pão da vida, como aquele que satisfaz nossas carências e que nos responde sobre os questionamentos que tanto nos angustiam. Comungar significa isso: alimentar-se do Pão do Céu, que é Jesus e que dá vida a quem dele comer.

Dom Antonio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen