Artigos, Bispos › 27/02/2020

Mensagem para a Quaresma

Iniciamos, com a graça de Deus, mais um tempo quaresmal, ou seja, mais um período santo na vida de nossa amada Igreja. Este tempo especial tem por finalidade ajudar-nos no processo de conversão, rumo ao céu.

Nossa vida aqui na terra tem este objetivo, do qual jamais devemos perder o foco: o céu, a comunhão plena e definitiva com Deus na vida eterna. Esta deve ser a nossa maior preocupação. Como consequência, tudo o que nos ajuda a atingir esta meta, deve ser amado e buscado com empenho e dedicação. Tudo o que nos impede de atingir esta meta deve ser odiado e evitado com o mesmo empenho, a mesma dedicação.

Neste sentido, durante este período santo, a Igreja nos convida a uma seria revisão de nossa vida, que vise um autêntico conhecimento de si não para uma autorrecriminação infrutífera e angustiosa, mas para uma autentica conversão, selada pela Graça divina, obtida especialmente através da Graça sacramental do Sacramento da Reconciliação e da Paz. Tradicionalmente, na Quaresma, somos convidados aos chamados “exercícios quaresmais”, fundamentados em três pilares: a oração, a penitência e a caridade.

A intensificação da oração é uma das condições fundamentais para o verdadeiro encontro filial com Deus. Antes de nos preocuparmos em nos fazer ouvir por Deus, nossa oração, neste período é, antes de tudo, um abrir-se a Deus, em uma atitude de silenciosa e atenta escuta de sua voz.

A penitência quaresmal, inserida nas realidades normais do dia a dia, além de preocupar-se em oferecer a Deus alguns pequenos incômodos (o jejum, a abstinência de carne, as mortificações corporais) busca, antes de tudo aceitar com humildade e alegria as cruzes que vão aparecendo sem pedirmos, aquelas que o Senhor permite em nossas vidas e que são santificadoras e purificadoras, porque nos unem fortemente à cruz do Senhor.

A caridade na Quaresma nos leva a assumir vitalmente um princípio estrutural: aprender a renunciar até mesmo ao que é legítimo, para sermos e vivermos como pessoas desapegadas e desprendidas dos bens materiais.

Neste ano, a Campanha da Fraternidade, que tem como tema: “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e como lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lucas 10,33-34) nos leva a vivenciar, de forma intensa, este aspecto do nosso caminho quaresmal: a caridade assumida e vivida através de uma atitude de comprometimento na capacidade de enxergar os males que afligem especialmente os mais abandonados; a compaixão misericordiosa, que nos leva a sentir em nós mesmos estes sofrimentos e a atitude de cuidarmos destes irmãos, sendo para eles a presença de Jesus que toca estas chagas sociais e cuida, por meio da Igreja e dos cristãos, das feridas que tanto fazem sofrer a tantos irmãos e irmãs caídos pelos caminhos da vida.

Vivamos intensamente esta Quaresma como um período de crescimento espiritual e humano. Assim celebraremos, renovados, o Mistério da Páscoa do Senhor.

Dom Antônio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen