Artigos, Bispos › 05/08/2022

Ministério, amor e serviço

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Como igreja, comunidade de fé, convido-vos a vivermos e celebrarmos juntos o Mês Vocacional, neste ano com o tema: “Cristo vive! Somos suas testemunhas”, e o lema: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20,18).

No primeiro domingo do mês de agosto, lembrado como o “Mês Vocacional”, a Igreja em oração, louva e agradece ao Senhor pelas vocações para o ministério ordenado: diáconos, padres e bispos. Tendo presente as necessidades do cuidado espiritual do povo de Deus, que peregrina para a casa do Pai.

A vocação ao ministério ordenado pode, muitas vezes, não ser entendida pelos próprios fieis como uma “vocação”, um dom ou um chamado de Deus para estar a serviço do Senhor, servindo a Igreja, quando não percebem no ministro ordenado a dedicação ao ministério, a proximidade aos mais fragilizados, o zelo pelo sagrado, o espírito de comunhão e vida de oração, que se alimenta da Palavra Deus, na escuta do Mestre. A vocação, como chamado de Deus para a missão, é apresentada na Sagrada Escritura com várias passagens. Gostaria de lembrar a do profeta Jeremias. “Antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conheci. Antes que você fosse dado à luz, eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações” (Jr 1,5).

Na sua caminhada de fé, o povo de Deus foi assistido por homens que se colocaram a serviço do Senhor, na paz e nas tribulações, alimentando a fé e a esperança de um povo peregrino a caminho da casa do Pai. A vocação ao ministério ordenado, sempre foi acolhida como vocação para um ministério especial na Igreja, tendo presente a sua missão. Ela não deve ser compreendida como profissão, porque pela ordenação sacerdotal assumimos um ministério, mas ele não nos pertence, somos nós que pertencemos ao ministério, para estar, com amor e disponibilidade a serviço do Senhor, na Igreja de Deus.

A Igreja, Povo de Deus, comunidade de fé orante, a partir da realidade familiar, deve priorizar continuamente o trabalho vocacional, tendo presente a dimensão missionária da Igreja e o cuidado espiritual dos fiéis. Na pastoral vocacional, todas as comunidades precisam estar envolvidas, através de uma corrente de oração, para que as necessidades espirituais do povo de Deus, na Igreja Diocesana e na missão, possam ser atendidas. O convite que Jesus fez, “Vem e segue-me”, foi fundamental para que a missão do anúncio do Reino não se perdesse no tempo, depois do seu retorno para junto do Pai, na Ascensão. Para dar continuidade à missão, ele faz o chamado ao coração dos jovens de hoje, tendo presente as necessidades da Igreja, para que possam dar uma resposta de amor-serviço ao Senhor, abraçando a vocação ao ministério ordenado.

+ Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul