Artigos, Bispos › 27/08/2021

Ministério e missão!

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Nas celebrações do Mês Vocacional, lembramos neste último domingo os nossos queridos catequistas, que exercem esse bonito e fundamental Ministério na vida da Igreja, comunidade de fé. São mães e pais de família, adultos e jovens, consagrados, consagradas, que abraçaram com amor a missão de evangelizar, de apresentar Jesus às crianças, aos jovens e adultos. Para que possam conhecê-lo, acolhê-lo e amá-lo como Mestre e Senhor de suas vidas.

Este ano, com a Carta Apostólica Antiquum Ministerium (Ministério Antigo), o nosso amado Papa Francisco instituiu o Ministério de Catequista na Igreja. É um justo reconhecimento às milhares de pessoas que prestam um serviço fundamental na evangelização. Trata-se de um verdadeiro Ministério que esteve presente na vida da Igreja, desde os primórdios da comunidade cristã. Ao longo dos séculos, este valoroso serviço de evangelização sempre contou com a disponibilidade de homens e mulheres que, obedientes à ação do Espírito Santo, dedicaram a sua vida ao serviço dos irmãos e irmãs na Igreja, comunidade de fé.

Instituindo o Ministério do Catequista, “a Igreja quis reconhecer este serviço como expressão concreta do carisma pessoal, que tanto favoreceu o exercício da sua missão evangelizadora”. Quando olhamos “para a vida de fé das primeiras comunidades cristãs”, podemos fazer memória dos milhares de catequistas que se empenharam na difusão do Evangelho. Essa bonita história, marcada por doação à missão, estimula também na realidade de hoje milhares de catequistas a colocarem seus dons e talentos a serviço do Evangelho na Igreja.

“Toda a história da evangelização destes dois milênios manifesta, com grande evidência, como foi eficaz a missão dos catequistas”. Não se pode esquecer a multidão incontável de catequistas que foram protagonistas na difusão do Evangelho, através do ensino catequético. Eram “homens e mulheres, animados pela fé”, e, graças à fidelidade ao Mestre Jesus, foram “verdadeiras testemunhas de santidade”. “Também nos nossos dias, há muitos catequistas competentes e perseverantes que estão à frente de comunidades em diferentes regiões, realizando uma missão insubstituível na transmissão e aprofundamento da fé. A longa série de Beatos, Santos e Mártires catequistas que marcaram a missão da Igreja, merece ser conhecida, pois constitui uma fonte fecunda não só para a catequese, mas também para toda a história da espiritualidade cristã”.

Minha gratidão a todos os catequistas que, mesmo diante dos desafios da pandemia, dentro do possível, continuaram ajudando as crianças, os jovens e adultos a conhecerem Jesus, através do processo de Iniciação à Vida Cristã. Confio à bondade e à misericórdia do Pai, os catequistas falecidos, especialmente aqueles que partiram neste tempo de pandemia.

+ Dom José Gislon, OFMCap – Bispo Diocesano de Caxias do Sul