Artigos, Bispos › 08/10/2021

Missionários pelo testemunho do amor-serviço

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Nos pequenos passos do nosso dia a dia, podemos ser missionários na realidade em que vivemos, colocando diante do Senhor e a serviço do Reino a nossa vida, com suas potencialidades e fragilidades, na caminhada de fé. Uma fé de discípulos e discípulas comprometidos com o anuncio do Evangelho, para levar Jesus às pessoas e as pessoas a Jesus, através da Palavra de Deus e pelo testemunho de vida, começando nas famílias, continuando nas comunidades e na sociedade. Se um batizado não procura cultivar a sua fé no Senhor ou não aceita anunciá-lo ao mundo, é sinal de que não conheceu Jesus em sua vida. “Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria” (DAp 29).

A missão da Igreja é anunciar o Evangelho. E quando ouvimos falar em missão podemos pensar que é um compromisso ou um dever da instituição ou dos outros. Esquecemos que, pela graça do Sacramento do Batismo, o ser missionário faz parte do compromisso do ser cristão. Na realidade de hoje, com tantas informações, o mundo tem necessidade de poder verificar a presença do Evangelho na comunidade cristã, mais pelo testemunho de vida do que pelas palavras.

Não esqueçamos que cada pessoa tem uma missão no mundo, e assumindo a sua missão, ela pode contribuir para que o mundo seja melhor. Algo que só pode ser realizado por ela, através dos dons que Deus lhe concedeu. Às vezes, nós podemos ser tentados a viver a nossa vida de cristãos na indiferença, à margem da comunidade de fé, ou gostaríamos de encontrar o Senhor Jesus sem encontrar os irmãos da comunidade, ou aqueles que estão à margem do caminho. Podemos viver a nossa caminhada de cristãos, vivendo na expectativa de encontrar o Senhor, sem perceber que ele está continuamente caminhando conosco, passando pela nossa vida, batendo à porta do nosso coração, querendo entrar, mas nós muitas vezes não temos a coragem de abrir a porta para deixar o Senhor entrar, ou de ir ao encontro do Senhor que passa pela nossa vida, de caminhar com ele, porque estamos apegados demais às nossas seguranças humanas. Preferimos ficar à margem do caminho, lamentado a nossa sorte, ao invés de mudarmos de vida para caminhar com Jesus, para sermos seus discípulos e missionários.

Querido irmão, querida irmã, “Coragem, levanta-te, Jesus te chama!” Mas, para colocar-se no caminho e segui-lo é preciso a visão, não tanto aquela dos olhos, mas aquela da fé, que nasce da escuta da Palavra de Deus, da invocação, do discernimento do chamado, até o encontro pessoal com o “Filho de Davi”. Não devemos ter medo de ser missionários e de continuar a nossa missão de proclamar ao mundo o Evangelho de Jesus Cristo, o Filho de Deus.

Dom José Gislon, OFMCap – Bispo Diocesano de Caxias do Sul