Artigos, Bispos › 29/01/2021

O Ano de São José

Acolhemos como um grande presente a convocação do “Ano de São José” que o Papa Francisco instituiu para a data de 8 de dezembro 2020 até 8 de dezembro de 2021. Esta convocação nasceu do coração paternal do Papa para conhecer melhor o pai adotivo de Jesus e sua participação no plano da salvação.

Há 150 anos o Papa Pio IX proclamou São José como guardião universal da Igreja. Hoje, o Papa Francisco, no desejo de que São José seja ainda mais conhecido, amado e invocado, escreveu uma Carta Apostólica cheia de afeto: “Coração de Pai” (Patris Corde). Nessa Carta, o Papa Francisco convida os cristãos a conhecer melhor o pai adotivo de Jesus tanto na Escritura, quanto na Tradição Cristã. A Escritura não esconde as dificuldades pessoais que José precisou enfrentar ao receber o anúncio de que sua futura esposa, estava grávida por obra do Espírito Santo.

Conhecemos as dificuldades do nascimento de Jesus na gruta de Belém, sua apresentação no Templo, a fuga para o Egito e sua vida oculta em Nazaré. Podemos imaginar o pobre José, buscando trabalho, tentando oferecer o necessário para sua família nas terras estrangeiras do Egito e, depois, em Nazaré.

Em sua Carta “Coração de Pai”, o Papa Francisco recorda a situação de tantos pais que hoje não conseguem oferecer o básico para seus filhos. José retorna a Nazaré e lá, ensina o menino Jesus a trabalhar, a entender a dura realidade da vida, mas será um pai presente e carinhoso.

Uma belíssima realidade o Papa Francisco recorda. O fato de Jesus ser tão respeitoso com as mulheres, homem de oração e próximo dos sofredores, pode nos revelar tanto a figura do pai que teve, com quem aprendeu tudo isso. Às vezes imaginamos Jesus como se já tivesse tudo pronto. No entanto, a Escritura revela que Jesus teve de aprender gradualmente (cfr. Bruno Franguelli, SJ.).

São José foi um pai presente, mas não se impôs na vida do Filho. Acompanhou Jesus na escolha de seu próprio caminho. O Papa Pio IX, ao declarar São José patrono universal da Igreja, estava dizendo que, como o guardião da família de Nazaré protegeu o Filho de Deus, assim protege a Igreja que é extensão do Corpo Místico de Cristo.

São José, ajudai-nos e defendei-nos de todo mal. Amém!

Dom Hélio Adelar Rubert – Arcebispo de Santa Maria