Artigos, Bispos › 07/10/2020

Para ser missionário é preciso ser discípulo

Neste segundo domingo de outubro, vamos continuar buscando as condições para sermos verdadeiros missionários neste Brasil, que está saindo da pandemia, que ceifou tantas vidas e deixou marcas de dor e sofrimento em tantas famílias. Para podermos cumprir esta nossa missão, precisamos reforçar o nosso discipulado e assumir a nossa tarefa de anunciar e construir o reino de Deus.

O profeta Isaías fala de um encontro destes com o Senhor, que reunirá todos os povos e nações, para eliminar todo o sofrimento e acabar com a desonra do seu povo em toda a terra. Ela fala de um grande encontro com o Salvador. É isto que nós somos convidados a celebrar em cada domingo, nas nossas comunidades.  É a grande celebração da semana, ali nós nos abastecemos, buscamos forças para viver a nossa fé, para crescer na esperança e para desenvolver sempre mais a caridade fraterna.

Durante o longo tempo da pandemia, estávamos recolhidos em nossas casas, e não tínhamos condições de uma participação presencial. Papa Francisco nos alertava que a vida cristã é comunitária e ela só acontece nas celebrações presenciais.

Assim também o ser humano é um ser social. Ele precisa participar de encontros e dias festivos. A festa faz parte da pessoa que vive numa sociedade. O próprio Jesus, neste domingo nos conta a história de uma grande festa de casamento. “O Reino dos Céus é como a história do rei que preparou a festa de casamento do seu filho. E mandou os seus empregados para chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir. O rei mandou outros empregados, dizendo: – Dizei aos convidados: já preparei o banquete, os bois e os animais cevados já foram abatidos e tudo está pronto. Vinde para a festa!” (Mt 27,2-4).

Assim como é muito bom poder preparar uma festa, convidar muitos amigos, também é decepcionante, quando estes convidados não comparecem, enviam desculpas esfarrapadas e simplesmente não se ligam à celebração festiva.

Esta é a grande tarefa dos missionários leigos, neste momento que estamos vivendo. É preciso sair em busca dos convidados, amigos do Senhor, que ainda não despertaram para a nova realidade que estamos vivendo. É preciso ir buscar os que ainda estão afastados.

Dom Zeno Hastenteufel – Bispo Diocesano de Novo Hamburgo