Pastoral da Saúde

Pastoral da Saúde

Breve Histórico: 

Na década de 1970 foi criada a Pastoral da Saúde no Regional Sul 3 da CNBB. Religiosas de diferentes Congregações já haviam criado este serviço na CRB/RS na década de 1960 e o transferiram para o Regional Sul 3 da CNBB.

Em 1997, foi legitimado pela CNBB Nacional a organização da Pastoral da Saúde nas 3 dimensões: Solidária, Comunitária e Político Institucional. Hoje, temos o Guia do Agente da Pastoral da Saúde no Brasil que norteia todas as suas atividades.

Objetivo:

Promover, educar, preservar, cuidar, defender, recuperar e celebrar a vida, realizando também ações em prol de uma vida saudável e plena de todo o povo de Deus, tornando presente, no mundo de hoje, a ação liberadora de Cristo na área da saúde.

Atuação em quantas e quais dioceses:

Em todas as Dioceses há serviços da Pastoral da Saúde, principalmente na Dimensão Solidária. Porém, nem todas tem a articulação a nível Arqui/Diocesano e Regional.

Pessoa responsável:

Ir. Elise Sehnem – Irmã da Divina Providência – Coordenadora da Pastoral da Saúde do Regional Sul 3 da CNBB.

A Pastoral da Saúde, a nível Regional, tem Dom Ricardo Hoepers como Bispo Referencial.

Contato:

irelises@yahoo.com.br

51/996613163 ( fone e Whats)

51/3318-4032

MISSÃO:
Priorizar a vida e testemunhar o Evangelho no mundo da saúde.

VISÃO:
Ser um trabalho organizado, missionário, inculturado, ecumênico, educativo e de evangelização no Regional Sul 3 (RS), participando da construção de uma sociedade justa a serviço da vida.

VALORES:
Comprometimento: “Por isso, irmãos, fiquem firmes e mantenham as tradições que lhes ensinamos de viva voz ou por meio de nossa carta” (2Ts 2,15). “Quanto a vocês, irmãos, não se cansem de fazer o bem” (2Ts 3,13).

Doação: “Cada um viva de acordo com a graça recebida e coloquem-se a serviço dos outros, como bons administradores das muitas formas da graça que Deus concedeu a vocês” (1Pd 4,10).
“Quem procura conservar a própria vida, vai perdê-la, e quem perde sua vida por causa de mim, vai encontrá-la” (Mt 10,39).

Equilíbrio: “O fim de todas as coisas está próximo. Sejam, portanto, moderados e sóbrios, para se dedicarem à oração” (1Pd 4,7).

Espiritualidade: “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, bondade, benevolência, fé, mansidão, domínio de si. Contra essas coisas não existe lei. Se vivemos pelo Espírito, caminhemos também sob o impulso do Espírito” (Gl 5,22-23.25). “Não sirvam somente quando vigiados ou para que os homens os elogiem, mas sejam como servos de Cristo, que cumprem de todo coração a vontade de Deus” (Ef 6,18).

Ética: “Meu filho, cuide de seu pai na velhice, e não o abandone enquanto ele viver” (Ecl 3,12). “Tudo o que vocês desejam que os outros façam a vocês, façam vocês também a eles. Pois nisso consistem a Lei e os Profetas” (Mt 7,12). “O segundo mandamento é este: ame ao próximo como a si mesmo. Não existe outro mandamento mais importante do que esse” (Mc 12,31). “Cuidem que ninguém retribua o mal com o mal, mas procurem sempre o bem uns dos outros e de todos” (1Ts 5,15).

Humanização: “Curem os doentes, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça, dêem também de graça” (Mt 10,8). “O ladrão só vem para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).

Humildade: “Pois bem: eu, que sou o Mestre e o Senhor, lavei os seus pés; por isso vocês devem lavar os pés uns dos outros” (Jo 13,14).

Perseverança: “É permanecendo firmes que vocês irão ganhar a vida” (Lc 21,19). “Não nos cansemos de fazer o bem; se não nos desanimarmos, quando chegar o tempo, colheremos” (Gl 6,9).

Respeito: “Completem a minha alegria: tenham uma só aspiração, um só amor, uma só alma e um só pensamento” (Fl 2,2).

Trabalho em equipe: “Irmãos, vocês ainda se lembram dos nossos trabalhos e fadigas. Pregamos o Evangelho a vocês trabalhando de noite e de dia, a fim de não sermos peso para ninguém” (1Ts 2,9). “Noite e dia rezamos com insistência para que possamos revê-los, a fim de completar o que ainda está faltando à fé que vocês têm” (1Ts 3,10). “Que seja para vocês uma questão de honra viver em paz, ocupando-se coisas que lhes pertencem e trabalhando com as próprias mãos, conforme recomendamos” (1Ts 4,11).

O QUE É:
A Pastoral da Saúde é uma das Pastorais Sociais da Igreja Católica. É a ação evangelizadora da Pastoral da Saúde, de dimensão ecumênica, comprometida em promover, preservar, defender, cuidar e celebrar a vida, tornando presente no mundo da saúde a ação libertadora de Jesus, nas seguintes dimensões:

  1. a) Dimensão Solidária: Busca a vivência e a presença samaritana junto aos doentes e sofredores nos hospitais, domicílios e comunidades, atendendo o ser humano integralmente nas suas dimensões física, mental, social e espiritual;
  2. b) Dimensão Comunitária (Educação para a saúde): Atua na promoção, prevenção e educação para a saúde, valoriza o conhecimento, a sabedoria e a religiosidade popular, promove debates, palestras, encontros educativos sobre doenças, alimentação, saneamento básico e higiene;
  3. c) Dimensão Político-Institucional: Atua junto aos Órgãos e Instituições Públicas e Privadas que prestam serviços e formam profissionais na área da saúde. Zela para que haja reflexão bioética, formação ética e uma política de saúde sadia, participando ainda dos Conselhos de Saúde (locais, Distritais, Municipais, Estadual e Nacional), e das Conferências de Saúde buscando a humanização do Sistema de Saúde, fiscalizando e denunciando, quando necessário.
    As dimensões são interligadas e interdependentes. Podemos priorizar uma, sem deixar de lado as outras. Em todas as dimensões será momentos para: acolher, orientar, promover a saúde, educar, libertar, reivindicar, organizar, assistir, evangelizar.

O QUE É SAÚDE?
É o completo bem estar físico, psíquico, social e espiritual.

Saúde física: é a ausência de mutilação, lesões, dor, cansaço, fome e sede. É o desenvolvimento normal e integral da pessoa humana e o equilíbrio entre os componentes orgânicos.

Saúde psíquica: implica em orientação de tempo e espaço, ausência de alienação, capacidade de equilibrar-se nas diversas situações da vida, autorrealização, abertura para o outro e para si mesmo, liberdade de expressão e de criação.

Saúde social: é o ajustamento do indivíduo no grupo social (entende-se por ajustamento a capacidade que a pessoa tem de se situar e de se relacionar com as outras). Implica também em ter condições de alimentação, habitação, educação, trabalho, renda, transporte, lazer, meio ambiente, liberdade e acesso às ações e serviços de saúde.

Saúde espiritual: se expressa na maneira como assumimos a vida. Toda pessoa tem uma finalidade na vida, tem sua religião e sua fé. Todos devem sentir paz no coração, amando e respeitando o próximo como também a si mesmo (Organização Mundial da Saúde).

FUNDAMENTOS
1º) Saúde faz parte do Projeto de Deus (Jo 10,10)
2º) Foi o centro da missão de Jesus Cristo (Mt 9,35)
3º) É a missão confiada à Igreja e aos seus seguidores(as) (Mt 10,5; Mc 14,18)
4º) Cristo se identifica com o doente (Mt 25,34)
5º) É questão de salvação (Mt 25,55)

TRABALHAR NA PASTORAL, POR QUE?
a) É uma missão de toda a comunidade cristã
b) Seguir Jesus, o bom Samaritano
c) Continuar a missão de Jesus, evangelizando e curando os doentes
d) Trabalhar em defesa da vida e dos direitos dos doentes e excluídos

COMO FORMAR GRUPOS?
1º) Conscientizar sobre a importância da Pastoral da Saúde em todas as realidades
2º) Trabalhar a motivação dos agentes a partir da espiritualidade libertadora no seguimento a Jesus Cristo
3º) Participar de cursos de capacitação e atualização
4º) Conhecer a missão e os objetivos da Pastoral da Saúde

COMO ORGANIZAR A EQUIPE?
– Coordenador(a)
– Vice-coordenador(a)
– Secretário e vice
– Tesoureiro(a)
– Assistente Espiritual (pároco ou capelão)

COMO MANTER O GRUPO?
a) Trabalhar uma espiritualidade missionária que constitui a dimensão de sustentação da ação pastoral
b) Uma coordenação atuante e dinâmica, descentralizada e não personalista
c) Um trabalho articulado com as pastorais afins (Projetos Comuns)
d) Valorização de cada membro da equipe conforme os seus dons e habilidades
e) Planejar e avaliar as atividades periodicamente
f) Assegurar uma formação permanente e integral em vista da missão
g) Celebrar a vida e a caminhada do grupo
h) Motivar para responsabilidade pessoal e grupal
i) Partilhar os entusiasmos e fracassos
j) Despertar o entusiasmo de aprender mais
k) Definir prioridades e metas
l) Desenvolver a capacidade de escutar e de compreensão

QUEM É O AGENTE DA PASTORAL DA SAÚDE?
É alguém vocacionado e chamado por Deus a trabalhar em defesa e promoção da vida com saúde integral; presença amorosa e libertadora de Jesus que cura. Pessoa rica em humanidade que comunica proximidade, acolhida e carinho, capaz de escutar e acolher outro em sua história pessoal, sua individualidade e oferecer-lhe hospitalidade em seu coração (Guia da Pastoral da Saúde para América Latina e Caribe).

Novo Guia da Pastoral da Saúde na América Latina e Caribe

Como duas faces de uma mesma moeda, a pastoral da Saúde consiste em cuidar dos doentes e agir para que ninguém adoeça!

O CELAM, Conselho Episcopal Latino-Americano e do Caribe, no final de maio de 2018, aprovou a nova edição atualizada do Guia da Pastoral da Saúde para América Latina e Caribe. Nesta nova versão foram inseridos os ensinamentos do Papa Francisco, sendo que a última revisão de 2009, foi à luz do Documento de Aparecida (2007).

  1. Igreja de América Latina e Caribe: 50 anos de Medellín (1968-2018) e a Pastoral da Saúde

Comemoram-se os 50 anos da célebre Conferência de Medellín (“II Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe”), que teve como tema “A igreja na atual transformação da América Latina à luz do Concílio Vaticano II”, realizada na cidade de Medellín, que tratou da atualização e aplicação do Concílio Vaticano II.

A Pastoral da Saúde na Igreja da América Latina e Caribe é coordenada a partir do Departamento de Justiça e solidariedade (JUSOL) do CELAM –O JUSOL tem como objetivo específico para a Pastoral da Saúde: “animar as Conferências Episcopais a impulsionar as diversas dimensões da pastoral da saúde, assumindo o acompanhamento dos enfermos, a prevenção das enfermidades e um compromisso mais profundo e incidência com os direitos das pessoas ao acesso a medicamentos e a uma vida digna”.

1.1. Para se alcançar este objetivo são propostos os seguintes passos:

1) Criar redes solidárias com associações e profissionais da saúde, para favorecer o serviço dos mais pobres e impulsionar uma maior incidência nas políticas de saúde.

2) articular o trabalho das organizações eclesiais que oferecem acompanhamento espiritual e solidário às pessoas enfermas e as ajudar a experimentar a misericórdia de Deus que cura.

3) Intensificar a divulgação e conhecimento da Guia da Pastoral da Saúde para América Latina e Caribe, sua aplicação e difusão junto às Conferências Episcopais da região.

4) Denunciar ante instâncias nacionais e internacionais a atuação de monopólios das indústrias farmacêuticas e a falta de acesso aos medicamentos aos mais pobres, em colaboração com Missão e Saúde.

5) Promover um maior engajamento da Igreja e da sociedade no enfrentamento do HIV/aids no Continente e outras enfermidades emergentes, especialmente as que têm origem por dependência da droga e do álcool.

6) Desenvolver através das equipes nacionais de Pastoral da Saúde, programas de capacitação e apoio na área da Saúde comunitária, medicina alternativa e cuidados paliativos, que promovam a prevenção e a atenção primária de enfermidades prevalentes nos meios populares.

1.2. A palavra da Presidência do CELAM

Na apresentação deste documento, os bispos do CELAM afirmam que: “Aprender a viver e comunicar a vida plena (João 10,10) de Jesus Cristo a nossos povos é a missão que corresponde realizar a todos os cristãos, mas em particular aos discípulos missionários que servem no mundo da saúde. Neste contexto a Pastoral da Saúde é apresentada como sendo a ‘resposta aos grandes interrogativos da vida, como são o sofrimento e a morte, a luz da morte e ressurreição do Senhor’. Nossa tarefa é portanto, promover, cuidar, defender e celebrar a vida, tornando presente na história o dom libertador e salvífico de Jesus”.

1.3. A respeito da estrutura e conteúdo do documento

Estamos diante de um itinerário de formação e ação pastoral para quem deseja se comprometer como discípulo missionário de Jesus Cristo no complexo mundo da saúde. Estas diretrizes se apresentam em sete capítulos, assim distribuídos: Em busca de mais vida plena e o conceito de saúde (Cap. 1). A realidade de Saúde na América Latina e Caribe: luta contra a pobreza e a melhora dos índices de saúde dos povos, enfermidades de fácil prevenção e patologias recorrentes, nutrição médio-ambiente e desastres naturais, precariedade dos serviços de saúde e alguns sinais de esperança (Cap. 2); Fundamentação Bíblico-teológica: Deus Pai, fonte da vida, ação salvadora de Jesus, Igreja Comunidade de vida plena em Jesus Cristo, Igreja comunidade curadora (Cap. 3); Bioética: um grito pela dignidade humana (Cap. 4); Pastoral da Saúde, pastoral da vida: Características, dimensões, espaços de ação e estrutura (Cap. 5); Os discípulos missionários no Mundo da Saúde: perfil, formação, eixos temáticos, Magistério e documentos da Igreja (Cap. 6); A espiritualidade dos discípulos missionários no mundo da saúde (Cap. 7).

  1. Alguns destaques

A visão inovadora de Pastoral de Saúde que este documento apresenta. A pastoral da Saúde tem três dimensões, a saber: dimensão solidária (samaritana, cuidado dos caídos por terra, os doentes); a comunitária (promoção e educação em saúde pública, saneamento básico, estilos saudáveis de vida, etc.) e político-institucional (políticas públicas de saúde, humanização das estruturas e serviços de saúde, formação de profissionais da saúde humanizados). Não se trata somente de agir solidariamente cuidando dos doentes e daqueles que estão no final da vida, mas também agir para prevenir doenças, educar para a saúde e promover hábitos de vida saudáveis.

Esperamos que este documento, que em breve estará à disposição pelos meios eletrônicos usuais e também em versão impressa, possa ter ampla divulgação junto a todas as equipes de Pastorais de Saúde das Conferências Episcopais da América Latina e Caribe, bem como das dioceses e paróquias!