Notícias › 12/06/2020

Santa Cruz do Sul celebra Corpus Christi apesar da pandemia

Impedidos de fazer grandes concentrações de povo nas igrejas e nas ruas, a celebração de Corpus Christi em 2020 foi diferente.

A diferença começou com a falta dos bonitos tapetes em frente às igrejas e nas ruas. Foi intensificado com o convite inverso: em vez de convidar as pessoas para irem às igrejas e participarem das procissões, foi feita uma campanha para que as pessoas permanecessem em suas casas.

As celebrações aconteceram com um pequeno grupo de fieis, todos com máscara no rosto e se mantendo distantes uns dos outros, participando das celebrações nas igrejas. Não houve procissão de povo caminhando nas ruas, sendo que, em alguns lugares, foram realizadas pequenas carreatas. Em seu texto orientador, Dom Aloísio Dilli, pedia: “Acompanhemos as celebrações pelas redes sociais, rádio e TV. No dia de Corpus Christi, após a missa em nossos templos, também haveremos de passar (de carro) brevemente com o Santíssimo por ruas de nossas cidades, mas sobretudo, nos locais de atendimento à saúde ou outros, recebendo sua bênção”.

Em Santa Cruz do Sul, foi feito um pequeno tapete no interior da catedral. A missa aconteceu com a presença de 30 pessoas previamente inscritas. A presidência da celebração coube ao pároco da catedral, Pe. Roni Osvalodo Fengler. Concelebraram os padres da cidade que não estão no grupo de risco (Jean Mara, Fabrício e Jolimar). Depois da missa, o Santíssimo foi levado em carro aberto até o Hospital Ana Nery, Hospital de Campanha e Hospital Santa Cruz. Em cada local foram dirigidas palavras de incentivo aos profissionais da saúde que lá atuam e foi dada a bênção do Santíssimo.

Em entrevista à RBS e outros meios de comunicação social, Dom Aloísio e a coordenação de pastoral destacaram a importância de substituir a homenagem ao Cristo presente na Eucaristia pelo serviço aos pobres, doentes e sofredores. “Os tapetes mais lindos que podemos oferecer a Cristo Eucarístico, neste ano, são cobertores, agasalhos, máscaras, alimentos, produtos de higiene”. Na mesma linha foi o pedido do Papa Francisco: “A hóstia consagrada contém a pessoa de Cristo. Por isso somos chamados a buscá-la diante do tabernáculo na igreja, mas também naquele tabernáculo que são os últimos, os sofredores, as pessoas sós e pobres. Foi o próprio Jesus quem o disse”.

Fonte: Pe. Roque Hammes | Diocese de Santa Cruz do Sul