Artigos, Bispos › 12/02/2020

Ver as maravilhas da vossa Lei

Cumprir os mandamentos é professar a fé na vida de cada dia. É fiar-nos nos ensinamentos de Jesus e deixar-nos guiar por Ele.

No Evangelho deste Domingo (Mateus 5,17-37) Ele nos diz que não veio revogar os mandamentos dados por Deus a Moisés. Veio ensinar-nos a cumpri-los com mais perfeição, com mais exigência.

Deus escreveu no coração do homem a Sua Lei. É a chamada lei natural que todos os homens podem conhecer. Todos podem saber, por exemplo, que matar é um mal. Não é preciso ser cristão para se dar conta disto.

Falando a Moisés no Monte Sinai, Deus deu os Dez Mandamentos. Foi uma ajuda para que o povo de Israel pudesse conhecer melhor a lei inscrita no coração de todos os homens. Como os pais com os filhos pequenos, Deus foi ensinando pouco a pouco a humanidade através dos profetas. Com a vinda de Jesus manifestou de modo pleno a Sua sabedoria, convidando todos os homens à santidade, imitando a vida de Jesus nos afazeres do dia a dia.

Jesus é não apenas o mestre que ensina mas também o modelo que havemos de imitar.

Jesus explica no Evangelho de hoje como devemos cumprir os mandamentos com todas as suas exigências. E disse-nos: “Dou-vos um mandamento novo: amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”. Lembra-nos que o mais importante da Lei é amar a Deus com todo o coração e amar o próximo como a si mesmo.

O amor é o pleno cumprimento da Lei de Deus (Romanos 13,10),  lembra São Paulo.

Cumprir os mandamentos é encher-nos da sabedoria de Deus. Ele é um Pai muito sábio e muito atento aos Seus filhos. Indica-nos o caminho para sermos felizes aqui na terra e, depois, um dia para sempre no céu. Esse caminho é o dos mandamentos. Às vezes os homens pensam que sabem mais do que Ele, desobedecem a Deus como os nossos primeiros pais e acabam por dar conta que se deixaram enganar pelo demônio ou pelos conselhos dos outros ou pelas suas próprias más inclinações.

O salmo responsorial de hoje (Salmo 118) é um hino de louvor à Lei de Deus. “Abri, Senhor os meus olhos para ver as maravilhas da Vossa lei”.

Se precisamos de quem nos indique caminhos e estradas para percorrer este mundo, ainda mais importante é termos quem nos aponte os caminhos para chegar ao céu. E Jesus continua a fazê-lo através dos sacerdotes, através da Sua Igreja.

Especial menção cabe à 2ª Leitura deste Domingo, tirada da 1ª Carta de São Paulo aos Coríntios. É uma exortação do Apóstolo das Gentes para aquela Comunidade cristã, que sofria pelas divisões nela existentes.

São Paulo ensina aquela Comunidade que toda a divisão fundamenta-se em um desconhecimento do mistério revelado em Cristo crucificado. O Mistério da morte de Jesus teve como objetivo o de reconduzir a Cristo todas as coisas, e tornar Cristo esperança da glória para todos.

Na Igreja, todas as divisões fazem dos cristãos pessoas coniventes com aqueles que crucificaram a Jesus.

Jamais, na Igreja, podemos perder de vista esta questão, que é a da importância da Unidade entre todos.

Dom Antônio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen