Artigos, Bispos › 10/03/2020

Viu – O olhar de Jesus

Continuando nossa reflexão sobre a Campanha da Fraternidade 2020, nesta semana, refletimos sobre a primeira palavra do lema: VER. O bom samaritano VIU o homem caído. É muito mais que só o enxergar. Já podemos até antecipar que é uma atitude constante de Jesus. Ele vê, percebe e sente não somente com os olhos do corpo, mas com o coração. Jesus se mostra sensível a todas as situações que clamam por solidariedade.

Todos os encontros de estudo e reflexão neste tempo tem como objetivo ajudar-nos a perceber que ‘o olhar de Jesus’ precisa contagiar o nosso olhar, o nosso coração e assim poder fazer com que o nosso coração queira ‘olhar como Jesus’. A parábola do bom samaritano nos apresenta duas formas de olhar: um olhar de quem vê e passa adiante (representa a indiferença e o desprezo pela vida do outro) e um olhar de quem vê e permanece (mostra a pessoa que se envolve e compromete com a vida dos outros).

Tem vários tipos de olhar e através deles podemos manifestar vários sentimentos e atitudes, até contrapostos: amor e ódio; alegria e tristeza; verdade e mentira… O olhar pode se tornar maldoso, viciado, cansado ou bondoso, virtuoso, respeitoso… Jesus nos ensina essa segunda forma de olhar.

Em Marcos 10, podemos perceber como Jesus se comunica com o olhar. No v.21, que fala do encontro com o jovem rico, encontramos: “Jesus olhou para ele com amor”. Aquele ‘olho no olho’, um olhar convidativo, um chamado a entrar no grupo dos discípulos. No v. 23, “Jesus olhou aos discípulos que estavam em volta dele”. Parece de ver aquele olhar que fala por si: Vejam! Escutem! Perceberam? E fala do perigo do apego aos bens e o desastre que pode causar. Nos vv. 46 a 52 encontramos o significativo milagre da cura do cego Bartimeu: “Ele estava sentado na beira do caminho, pedindo esmola”. Certamente, Jesus o viu e sentiu compaixão, apenas passou por ele. Depois Jesus o vê com o ouvido, escuta o seu grito por socorro. E o coração compassivo de Jesus não se aguenta, o manda chamar e lhe devolve a vista.

As pessoas acostumadas com o mal presente, a indiferença instalada feita cultura de morte, reagiram xingando o pobre cego, mas ele que não via, viu uma possibilidade de cura e salvação. Nosso olhar precisa ser samaritano: vê, sente compaixão e cuida. Jesus, o bom samaritano por excelência, está sempre pronto a nos livrar não só da cegueira dos olhos, mas também do coração: os olhos da fé! O cego curado reconhece Jesus como Messias. E eu?

Para refletir:

Já parei para pensar, como é meu modo de olhar? Como vejo as pessoas? Será que, sem querer, não estou fazendo acepção de pessoas, elegendo umas e excluindo outras? Consigo ver em cada pessoa um irmão, uma irmã? Os acontecimentos e situações de dificuldades encontram em mim sensibilidade ou indiferença?

Textos bíblicos: Mc 10, 46-52; Jo 4,5-42; Sl 94(95).

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo de Osório