WEBMAIL

A festa da ascensão do Senhor

Neste domingo, nós católicos celebramos a ascensão do Senhor, isto é, a última aparição do Senhor aos apóstolos e a sua volta para o Pai, sem desaparecer, mas na firme promessa de que Ele continuará conosco.

Cumprida a sua missão aqui na terra, Jesus passou pela paixão, morte e ressurreição. Foi isto que celebramos na páscoa. Depois Ele continuou aparecendo às testemunhas, que fizeram a experiência do Ressuscitado e foram entendendo tudo o que tinha acontecido.

Chegou o momento de voltar para o Pai. E eis que se dá a última aparição. “Então os que estavam reunidos perguntaram a Jesus: Senhor é agora que vais restaurar o reino em Israel? – Ele respondeu: Não vos cabe saber os tempos e os momentos que o Pai determinou com sua própria autoridade. Mas, recebereis o Espírito Santo, que descerá sobre vós para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, na Judéia e na Samaria até os confins da terra. Depois de dizer isso, Jesus foi levado ao céu à vista deles” (At 1,6-9).

Esta fora a última aparição do Senhor ressuscitado. Os evangelistas dão testemunho a respeito de outras palavras, proferidas naquela ocasião. Mas, foi a última vez que O viram e ouviram.

No evangelho deste domingo temos o relato de Mateus: “Quando eles viram Jesus, prostraram-se diante dele. Ainda assim alguns duvidaram. Então Jesus falou: Toda a autoridade me foi dada no céu e sobre a terra. Portanto, ide fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei! Eis que eu estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,18-20).

Este é o grande momento em que o Senhor define a missão da Igreja, a partir de sua volta para o Pai. “Ide e fazei discípulos meus todos os povos e batizai-os…” (Mt 28,19).

Está claro que ele está enviando todos os batizados, todos os discípulos serão missionários.  E, na parte final, a garantia da contínua presença do Senhor, no meio de nós até o fim dos tempos. Em toda esta mensagem fica muito claro que cabe a nós o compromisso do testemunho, da evangelização e até da celebração dos sacramentos.

Dom Zeno Hastenteufel – Bispo Diocesano de Novo Hamburgo