WEBMAIL

Dom Juarez Albino Destro é ordenado bispo na Catedral de Porto Alegre

No dia 17 de junho de 2023, a Arquidiocese de Porto Alegre ganhou mais um bispo auxiliar. Dom Juarez Albino Destro, 56 anos, foi ordenado na Catedral Metropolitana Mãe de Deus, na capital. A celebração foi presidida por Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, concelebrada por Dom Jacinto Flach, bispo da diocese de Criciúma (SC), terra natal de Dom Juarez, e Dom Ângelo Ademir Mezari, bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo. Também estiveram presentes bispos das demais dioceses do Rio Grande do Sul e de outros Estados. A família de Dom Juarez, mãe, irmão e sobrinha participaram da solenidade.

A Catedral Metropolitana recebeu pela segunda vez em menos de um ano a celebração de uma ordenação episcopal. Em agosto de 2022, dom Maurício Jardim, padre do clero de Porto Alegre, foi ordenado bispo para a diocese de Rondonópolis (MT). Ao acolher o novo bispo auxiliar da Arquidiocese, o arcebispo metropolitano, Dom Jaime Spengler, refletiu o texto da segunda carta de São Paulo a Timóteo em sua homilia.

“Sofre pelo Evangelho fortificado pelo poder de Deus. Esta é a tarefa de todo o batizado. Tal orientação se torna ainda mais incisiva na vida do ministro ordenado e, de forma particular, para aquele que é escolhido para o ministério episcopal”, iniciou Dom Jaime Spengler, que acrescentou, dirigindo-se a Dom Juarez Albino Destro.

“No exercício do ministério episcopal em favor da Igreja que está aqui em Porto Alegre tu és exortado ainda com maior vigor a assumir o Evangelho, fortificado no poder de Deus. Como? Rezando, meditando, estudando, ensinando, acompanhando, ouvindo, vivendo, celebrando, testemunhando. Às vezes caminhando à frente do nosso povo, às vezes no meio do povo e, por vezes, atrás, para que ninguém seja abandonado ou se sinta abandonado no meio do caminho. Por isso meu irmão, não tenhas medo. Aquele que te chamou é fiel”

Ouça a homilia completa de Dom Jaime Spengler.

Rito de Ordenação

O rito de ordenação episcopal compreendeu a imposição das mãos sobre a cabeça e a oração consecratória, ato que repete o gesto dos apóstolos. Durante a consagração, o livro dos Evangelhos foi aberto e pousado sobre a cabeça do futuro bispo. Em seguida ocorreu a unção da cabeça do eleito com óleo do Crisma, gesto que remonta como o povo de Israel elegia seus líderes. E, contemplou ainda, o momento da entrega das insígnias episcopais – o anel, símbolo da esponsalidade com a Igreja; a mitra, sinal da santidade da Igreja; e o báculo, que representa o cajado do Bom Pastor no cuidado do rebanho.

A parte musical da Missa contou com o apoio dos seminaristas da Arquidiocese – Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição e Seminário Menor São José –  e de leigos. O regente foi o seminarista Marto Vilaza, que no mês de novembro será ordenado diácono, e o organista foi o seminarista Natan Gonçalves. No total oito vozes no canto, sendo quatro seminaristas e quatro leigos colaboraram com a música. Entre os instrumentistas estava o padre Henrique Zimmer, do clero da Arquidiocese e pároco da paróquia São Vicente Pai dos Pobres, localizada no município de Gravataí, no contrabaixo.

Mensagem do novo bispo auxiliar

“Vocação: Graça e Missão! Eis o tema do 3º Ano Vocacional do Brasil, eis o lema de meu serviço episcopal, estampado no brasão, juntamente com os símbolos que expressam uma história, uma vida, uma vocação, uma missão. E tudo é graça divina!”

Dom Juarez recordou sua família: “A Família de Sangue, aqui representada pela mãe, irmão, cunhada e sobrinha, que também é minha afilhada de batismo. Com eles, estendo meu agradecimento a todos os familiares, Destro e Cesconetto, parentes próximos e distantes, de longe e de perto, vivos e falecidos”. Depois, saudou os membros da congregação dos Rogacionistas e finalmente todo o povo da Arquidiocese de Porto Alegre.

Ouça a mensagem completa de Dom Juarez Albino Destro.

A presença das crianças no ministério de Dom Juarez

Entre os momentos mais emocionantes da celebração, a apresentação de um coral de crianças da paróquia Nossa Aparecida do Guajuviras, no município de Canoas (RS) que, devidamente vestidas como coroinhas, cantaram uma música em honra a Nossa Senhora.

Dom Juarez recordou a importância das crianças em sua caminhada como sacerdote. “Poucos dias depois de ser nomeado como bispo auxiliar para a Arquidiocese de Porto Alegre, Dom Juarez, que residia em Brasília, foi homenageado pela Creche Santo Aníbal, localizada próximo ao seminário da  congregação dos Rogacionistas. As crianças atendidas prestaram uma homenagem entregando desenhos.” Com o auxílio e a opinião de alguns funcionários, o futuro bispo escolheu aquele que achou mais parecido e o incluiu na arte do convite, elaborado pelo designer da Arquidiocese de Porto Alegre, Nelson Pereira.

“Eu sempre mantive um contato muito próximo com as crianças nas minhas visitas. Aí organizaram um café da manhã de despedida. Me entregaram alguns desenhos, alguns pintados. Acabei selecionando um deles, em que estava com os cabelos brancos. Não só eu, mas muitas pessoas viram a semelhança. A Giovana, autora do desenho, representa todas as crianças daquela obra socioeducativa. É um símbolo da nossa sensibilidade, do nosso carisma, de trabalhar sempre em prol dos pequenos da sociedade, não apenas às crianças, mas os vulneráveis, os excluídos. Essa atenção que Jesus tinha para com estes em seu tempo precisamos ter hoje”, acrescentou Dom Juarez.

Acolhida no Regional

Dom Leomar Antonio Brustolin, presidente do Regional Sul 3, saudou o novo bispo e, em nome das “18 porções do povo de Deus no Rio Grande do Sul” manifestou a alegria pelo sim generoso e pela chegada de dom Juarez no Regional.

Confira a fala na íntegra:

“Dom Juarez, em nome do Regional Sul 3 da CNBB, nós queremos manifestar nossa alegria em recebê-lo. Pelo sim generoso que foi dado. Eu falo em nome dos bispos das 18 porções do Povo de Deus que estão no Rio Grande do Sul. Bem-vindo! Caminhemos colegiadamente, pois formamos um colégio! Você encontra aqui irmãos e caminharemos juntos. Mas caminhamos também sinodalmente, com esse povo todo do qual nós fazemos parte. Nós vivemos de sinais e lembre-se que você foi ordenado bispo no ano vocacional, isso não é uma coincidência, é uma providência. Você sabe quanto o Rio Grande do Sul foi celeiro de vocações, mas hoje nós estamos desafiados a uma nova cultura vocacional, e isso não pode dar mais como pressuposto. A sua chegada traz grande esperança para todas as comunidades que estão aqui, especialmente na Arquidiocese de Porto Alegre, mas certamente será pra nós, especificamente para todo o Rio Grande do Sul, uma esperança de ajudar, que tenhamos dias promissores. Desejamos pra você um fecundo ministério . Você está entre irmãos, contamos contigo!”

Com informações da Arquidiocese de Porto Alegre