WEBMAIL

Escolher a Deus

Na história do Povo de Deus uma das tentações das pessoas foi buscar apoio e segurança nas realidades terrestres e não confiar plenamente em Deus. Daí a experiência sofrida também de grandes lideranças como Moisés, Davi, Salomão e outros.

Maria de Nazaré e José, o carpinteiro, foram modelos de fidelidade, bem como milhares de testemunhas de cristãos no passado e em nossos dias.

Durante o tempo da reclusão, por causa da pandemia, certamente muitos, fizeram a experiência de deixar de fazer tantas coisas boas e importantes. Pessoalmente também precisei perder belos momentos pastorais e de outros acompanhamentos. Eram obras de Deus. Nos dias mais perigosos, foi necessário renovar nossa escolha de Deus e colocar tudo o resto nas mãos do Senhor, pois quando escolhemos a Deus, as suas obras vão em frente e frutificam. O importante é permanecer na vontade de Deus no momento presente cuidando da própria vida e da vida dos outros como um ato de amor por Deus e pelo próximo.

Nossa vida cristã é uma sucessão de escolhas sempre novas. Vejamos o que aconteceu com Maria, a Mãe de Jesus. “Maria escolheu Deus, abandonando os seus projetos, mesmo sem comprometer plenamente o mistério que se estava realizando em seu corpo e em seu destino. A partir daquele momento, a sua vida tornou-se um ‘sim’ sempre renovado, do presépio de Belém até ao exílio no Egito; da carpintaria em Nazaré até ao Calvário. Atualiza-se de novo sempre a mesma escolha: ‘Deus e não as obras de Deus`. E é justamente desse modo que Maria vê realizarem-se todas as promessas: vê a ressurreição do Filho que carregara ensanguentado e o anúncio do Evangelho a todas as gentes; vê a sua aclamação como bem–aventurada e ‘Mãe de Deus’ em todas as gerações, ela que, aos pés da cruz, viu seu divino Filho ser substituído por um de nós, um simples homem” ( Dom F. Van Thuan; Testemunhas da Esperança, Cidade Nova, 2002, p. 59).

A escolha de Deus, sempre renovada todos os dias, todas as horas e em cada ato da vida, é fundamental para todo ser humano. É a escolha mais inteligente e necessária que alguém pode fazer, pois tudo passa e Deus não passa. Ele é a nossa única esperança.

Dom Hélio Adelar Rubert – Arcebispo de Santa Maria