WEBMAIL

Pastoral promove 37ª Vigília pelos mortos de Aids no próximo domingo

No próximo domingo, o terceiro do mês de maio (17), a Pastoral da Aids da CNBB promove a Vigília Pelos Mortos de Aids, em todas as regiões episcopais, onde, em função da pandemia do Covid-19, indica que neste ano a lembrança dos mortos por causa da Aids seja feita de forma individual ou utilizando as redes sociais para sensibilizar as comunidades para a realidade da Aids, que ainda continua a provocar mortes.

Este ano a vigília traz o tema “No brilho da Luz, Fortalecer a Esperança”, expressão que coloca em comunhão as pessoas que faleceram e estão na presença de Deus, com aquelas que cuidam da vida e buscam que os direitos humanos sejam respeitados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que desde o início da epidemia, em 1981, até os dias atuais, cerca de 38 milhões de pessoas morreram de AIDS. E continuam a morrer… realidade que toca muito mais do que os que morrem: famílias, filhos, mães… No Brasil, segundo o Boletim Epidemiológico (BRASIL, 2019), desde o início da epidemia de AIDS (1980) até 31 de dezembro de 2018, 338.905 já haviam falecido por causa da Aids.

A 37ª Vigília pelos Mortos de AIDS da Pastoral da AIDS conclama a todos a manterem acesa a chama da esperança, visando fortalecer a solidariedade, os laços fraternos, o espírito comunitário e o interesse público, colocando a vida humana em primeiro lugar.

A Pastoral da AIDS, como serviço da Igreja Católica, segue os passos do mestre Jesus e sonha em vida e saúde para todos. O sonho é que mais nenhuma pessoa se infecte com o vírus HIV e que todos os que já estejam infectados e vivem com AIDS, sejam acolhidos, acompanhados e tenham qualidade de vida garantida. “Eu vim para que todos tenham vida e a que a tenham em abundância” diz Jesus.

Neste dia queremos fazer memória dos mortos em consequência da AIDS, e suscitar nossa solidariedade com as pessoas que vivem e convivem com o HIV, despertando toda a população para a prevenção. A igreja, mobilizada pela Pastoral da AIDS e por entidades comprometidas com a causa, dá sua contribuição promovendo a solidariedade. Lembra, ao mesmo tempo, que a morte não é a última palavra sobre o humano. Cristo ressuscitou para que transformemos os sinais de morte em sinais de vida.

Confira a motivação do Frei Luiz Carlos Lunardi, animador da Pastoral da AIDS no Regional Sul 3.