WEBMAIL

Somos todos chamados à Santidade

Minha saudação a todos os irmãos e irmãs que acompanham a Voz da Diocese. Celebramos a Solenidade de Todos os Santos, neste primeiro domingo de novembro, após a comeroração litúrgica de finados. Assim, lembramos e rezamos, primeiramente, por todos os falecidos e, depois, a todos os Santos e Santas de Deus, em vista da nossa santificação.

Prezados irmãos e irmãs. No início da Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate”, o Papa Francisco afirma: “Alegrai-vos e exultai (Mt 5,12), diz Jesus a quantos são perseguidos ou humilhados por causa d’Ele. O Senhor pede tudo e, em troca, oferece a vida verdadeira, a felicidade para a qual fomos criados. Quer-nos santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa” (GE, 1). Com efeito, a chamada à santidade está patente, de várias maneiras, desde as primeiras páginas da Bíblia; “a Abraão, o Senhor a propôs nestes termos: Anda na minha presença e sê perfeito (Gn 17,1)”.

O Papa Francisco continua sua reflexão, dizendo: “A santidade é o rosto mais belo da Igreja. E esta beleza está ligada ao fato de que todas as pessoas podem vivenciá-la, de diferentes maneiras (…) O que quero recordar com esta Exortação é sobretudo a chamada à santidade que o Senhor faz a cada um de nós, a chamada que dirige também a ti: ‘Sede santos, porque Eu sou santo’ (Lv 11,45; cf. 1Pd 1,16). O Concílio Vaticano II salientou vigorosamente: munidos de tantos e tão grandes meios de salvação, todos os fiéis, seja qual for a sua condição ou estado, são chamados pelo Senhor à perfeição do Pai, cada um por seu caminho (GE, 10)”.

A Sagrada Escritura se apresenta para nós como uma carta-convite de Deus à santidade: “Sede santos, porque eu, Javé, vosso Deus, sou santo” (Lv 19,2). A santidade de Deus é modelo para a santidade do Seu povo. Desta forma, lembramos o mandamento de Jesus: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15,12). Para o povo de Israel, Deus é sumamente santo. Assim o apresenta o profeta Isaías: “Santo, santo, santo é o Senhor!” (Is 6,3). Para ele, “O Deus santo mostra sua santidade pela justiça” (Is 5,16). Portanto, para a profecia bíblica, a santidade passa pela prática da justiça.

Caríssimos irmãos e irmãs. No Evangelho deste domingo, o Evangelista Mateus, através das Bem-Aventuranças, anunciadas por Jesus, apresenta o caminho mais seguro para a santificação. Como entender as Bem-Aventuranças? Em suas viagens missionárias, Jesus andava em meio a uma população pobre e excluída, semelhante a um rebanho sem pastor, conforme o texto de Mt,9,35-36). Mas, este povo sofrido e esquecido, em meio à sua pobreza, vivia valores fundamentais, os quais Jesus os tomou e os anunciou como caminho de santidade de todo seu seguidor.

As Bem-Aventuranças, em seu conjunto, constituem um estilo de vida, uma mensagem de esperança e uma ordem para aqueles que lutam pela implantação do Reino dos Céus e anseiam por sua chegada definitiva. O ponto de partida das Bem-Aventuranças são as condições concretas da vida humana. Jesus subiu à montanha, lugar de encontro com Deus. A montanha do Sinai lembrava a entrega dos Mandamentos de Deus ao povo de Israel, por meio de Moisés. Numa montanha, à beira do Mar da Galiléia, Jesus entrega a nova Lei, a Lei da Nova Aliança, revelando que Deus se solidarizou com os pobres a ponto de confiar-lhes o Reino.

As Bem-Aventuranças são propostas de felicidade. A constituição que Jesus apresenta não impõe leis. Jesus simplesmente constata a situação do povo que o segue (pobres, aflitos, despossuídos/mansos, famintos); percebe o esforço que fazem para mudar a situação (misericórdia/solidariedade, pureza de coração, promoção da paz); conhece as dificuldades e perseguições que enfrentam para criar a nova sociedade e os proclama felizes, herdeiros do projeto do Reino de Deus.

A Solenidade de Todos os Santos é momento oportuno para uma revisão de vida. O Apóstolo Paulo lembra que somos “Amados de Deus (…) chamados à santidade” (cf. Rm 1,7). Olhando para os que nos precederam, santos e mártires, somos convidados, como “filhos de Deus”, a nos questionarmos sobre o caminho que estamos percorrendo em vista de nossa santificação. A santificação passa pela vivência das Bem-Aventuranças, que implica fundamentalmente na prática da justiça e da solidariedade.

Caros irmãos e irmãs. Busquemos a santidade no seio familiar, no trabalho e na comunidade eclesial, pois, não há lugar, tempo ou condição para buscarmos a santidade, ou seja, para tornarmo-nos bem-aventurados do Reino de Deus. Que todos os Santos e Santas de Deus, intercedam por nós. Amém! Deus abençoe a todos! Bom domingo!

Dom Adimir Antonio Mazali – Bispo Diocesano de Erexim