WEBMAIL

Vigilantes em vista do Reino de Deus

Minha saudação aos irmãos e irmãs que acompanham a Voz da Diocese. A Liturgia da Palavra, deste Domingo, convida-nos à vigilância. É preciso vigiar! Os textos bíblicos ao longo do mês de novembro fazem refletir sobre a dimensão escatológica da vida, ou seja, sobre a vida eterna. Vigiar é a melhor forma de nos prepararmos para o encontro com o Senhor. A vigilância, da qual os textos bíblicos nos falam, é uma atitude de atenção constante à vontade de Deus.

Prezados irmãos e irmãs. Através das parábolas, Jesus quer ajudar os discípulos a entenderem o que é o Reino de Deus. O Evangelho deste Domingo de Mt 25,1-13, é uma palavra de Jesus aos discípulos: “Disse Jesus a seus discípulos esta parábola”(Mt 25,1). Jesus contou-lhes a parábola das dez jovens que aguardavam a chegada do noivo, baseando-se na tradição israelita a respeito do casamento. A noiva ficava em casa, aguardando a chegada do noivo. Era costume que um grupo de amigas ficasse com a noiva, durante a espera do noivo. O noivo, porém, não tinha hora marcada para chegar. Isto aumentava a expectativa de quem o esperava. E quando ele chegava, elas iam junto para a festa.

Assim sendo, Jesus conta a seguinte parábola: O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo. Cinco delas, imprevidentes, pegaram suas lâmpadas e não levaram óleo. As outras cinco, previdentes, levaram óleo junto. O noivo demorava em chegar e todas dormiram. No meio da noite alguém gritou: O noivo está chegando. Ide ao seu encontro! As cinco jovens imprevidentes pediram, então, às previdentes que emprestassem óleo para suas lâmpadas, que estavam se apagando. E estas as mandaram comprar no vendedor, pois o óleo que possuíam seria insuficiente para todas. Enquanto isso, o noivo chegou e as previdentes entraram para a festa de casamento, e as demais ficaram de fora! Quando estas chegaram, pediram que abrissem a porta: “Abre-nos a porta!” E a resposta foi: “Não vos conheço!” E Jesus conclui a parábola dizendo: “Ficai vigiando, pois não sabeis nem o dia e nem a hora” (cf. Mt 25,2-13)!

Caros irmãos e irmãs. A parábola fala das coisas da vida. O que ocorre na parábola é o que se passa em nossa vida. Jesus quer nos prevenir para não ficarmos de fora, como as cinco jovens imprevidentes. Para isso, é importante identificar os personagens da parábola e quem eles representam: o noivo é referência a Cristo, o esperado; as dez jovens representam as pessoas que, no dia-a-dia, vão se preparando para o momento da entrada na festa do Reino, a vida eterna; o tempo da demora, pela chegada do esposo, são os nossos dias de vida, cheios de expectativa e de esperança; o óleo, para as lâmpadas, é a vivência dos valores do Evangelho, valores estes intransferíveis, ou seja, vivenciamo-os ou não entraremos para a festa do casamento, que é o banquete do Reino de Deus, na eternidade, junto de Deus; o casamento é símbolo da festa final, para o qual todos os seguidores de Jesus estão convidados.

O noivo chegará a qualquer hora. Enquanto ele não chegar, é preciso vigiar. “Fiquem vigiando, porque não sabeis nem o dia nem a hora” (Mt 25,13). A vigilância, na parábola, não consiste no fato de as jovens ficarem acordadas, e sim no fato de terem ou não óleo suficiente para suas lâmpadas. De fato, no anúncio da chegada do noivo, talvez não haja mais tempo para sair em busca de óleo. Vigilância, portanto, é estar pronto desde o início, é estar sempre preparado. O óleo, segundo a tradição rabínica, é símbolo das ações de justiça. A recusa das cinco jovens previdentes, em emprestar óleo às cinco sem juízo, indica que não é possível a transferência de méritos de uma pessoa para outra. Cada pessoa deve responder, diante de Deus, por sua vida e pelos seus atos.

Irmãos e irmãs. O texto, do referido Evangelho, chama-nos a atenção para o sentido de estarmos sempre em vigilância, mediante a prática da justiça e do bem. Ninguém sabe o dia, nem a hora, em que Deus irá chamar-nos para o encontro definitivo com Ele, para a entrada no Reino dos Céus. Portanto, o tema da vigilância nos exorta para estarmos sempre preparados para este momento. Peçamos ao Senhor que nos ilumine no caminho das boas obras, na esperança de estarmos sempre prontos para alcançarmos o Reino dos Céus, prometido por Jesus.

Deus abençoe a todos e bom domingo!

Dom Adimir Antonio Mazali – Bispo Diocesano de Erexim