WEBMAIL

Em dia de calor, Romaria da Salette reúne grande número de romeiros em Marcelino Ramos

Marcelino Ramos viu em muitas romarias de Nossa Senhora da Salette, seus participantes enfrentantando chuva e às vezes frio. Não foi assim na 88ª edição, no último domingo (24), Dia Nacional da Bíblia, quando o dia foi de sol quente e calor intenso.

Os romeiros meditaram e rezaram a partir do tema da Romaria, “Com Salette, corações ardentes, pés a caminho”, no contexto do 3º Ano Vocacional do Brasil. A programação do dia iniciou às 5h30, com a oração da manhã; e seguiu com as missas no Santuíario às 06h, 07h15, 10h e 12h. As 08h também foi celebrada a missa na igreja São João Batista, de onde partiu a procissão ao Santuário, concluída com a missa campal. Na parte da tarde, as 14h houve a oração do terço meditado e encenação da aparição e as 15h, bênção do Santíssimo Sacramento e envio dos romeiros.

A lembrança da aparição

A Romaria da Salette, com sua novena, celebrações especiais no dia 19 de setembro e sempre no último sábado e domingo do mês, recorda que em 19 de setembro de 1846, pelas 15h, N. Sra. apareceu a Maximino Giraud, de 11 anos, e a Melânia Calvat, 15 nos, em La Salette, nos Alpes da França. Enquanto cuidavam do gado, as crianças viram Nossa Senhora sentada sobre uma pedra, com as mãos no rosto, chorando.  Ela estava vestida como as mulheres da região: vestido longo, um grande avental, lenço cruzado e amarrado às costas, touca de camponesa. Rosas coroavam sua cabeça, ladeavam o lenço e ornavam o calçado. Em sua fronte uma luz brilhava como um diadema. Sobre os ombros carrega uma pesada corrente. Uma corrente mais leve prendia um crucifixo resplandecente sobre o peito e de outro uma torquês. Durante a conversa com os pobres pastorinhos, deixou-lhes uma mensagem que pedia conversão e penitência. Vendo-os assustados, ela os convidou: Vinde, meus filhos, não tenhais medo. Depois perguntou-lhes se faziam bem suas orações e falou-lhes de males presentes na sociedade daquele tempo.

Assim, os romeiros foram convidados a fazer a experiência da aparição: subir a montanha, encontrar-se com N. Sra. e renovar sua conversão a Deus.

A homilia do Bispo

 

Depois de saudação incluindo grande número de pessoas, dom Adimir Mazali, bispo diocesano de Erexim, recordou o 3º Ano Vocacional do Brasil e o Ano da Missão vivido pelos saletinos. Ressaltou a sintonia da Romaria com o tema e o lema do Ano Vocacional, motivando oração intensa e permanente por vocações à vida matrimonial, consagrada e sacerdotal. Falou da natureza da Romaria como experiência do encontro com Maria, a Mãe de Jesus e da Igreja, renovando o compromisso da conversão e da penitência. Recordou a aparição de N. Sra. em Salette. “Seu choro expressa seu amor materno para com todo”, destcou.

Em seguida, dom Adimir se referiu às leituras, ao salmo e ao Evangelho. A primeira leitura, a aliança de Deus com Noé, depois o dilúvio, com o arco-íris, expressão do amor divino que perdura para sempre. O salmo, o louvor a Deus. A segunda leitura, a vida nova em Cristo e a exortação a viver a reconciliação. O evangelho, Cristo na cruz que dá sua mãe a todos. Voltando à mensagem de N. Sra. aos pastorinhos, motivou todos a voltarem-se para a bela senhora rogando que peça a seu Filho Jesus para que os ajude a superar a maldade do mundo, a injustiça, a criminalidade, a violência. Por fim, exortou os romeiros e romeiras a viverem a penitência e a oração, a transmitir a quem encontrarem a experiência do encontro com Maria Santíssima e a seguir seu Filho Jesus, na certeza de que Deus os ama sempre.

Confissões e Bênçãos

No dia da aparição, na véspera da Romaria e no dia, padres estiveram à disposição para a celebração do sacramento da reconciliação. Em alguns momentos, especialmente na Bênção do Santíssimo, às 15h, houve bênçãos da saúde, das lembranças e objetos religiosos, das plantas medicinais, da água, das velas e dos peregrinos.

Com informações da Diocese de Erexim