WEBMAIL

Parceria entre Regionais Sul 3 e Sul 4 fortalece a missão ad gentes em Moçambique

Este é o lugar que quero estar e vou me esforçar muito para ser uma presença de Deus caminhando junto do povo”, afirma Pe. Josemar Silva, enviado pelo Sul 4 à missão ad gentes em Moçambique.

Na celebração de acolhida na paróquia São Miguel Arcanjo de Micane

Há exato um mês, em 05 de fevereiro, Pe. Luiz Weber e Pe. Josemar Silva se encontravam no aeroporto de Guarulhos para uma viagem mais que especial. Já não é tão comum embarcar no Brasil rumo à missão ad gentes na África, mais especificamente em Moçambique. Ser o primeiro a dar esse passo então, é uma responsabilidade grande e que deixa na história marcas importantes.

Acompanhado do Pe. Luiz, que retornava à missão depois das férias no Brasil, Pe. Josemar, do clero da Arquidiocese de Florianópolis, embarcou rumo a Moçambique enviado pelo Regional Sul 4 para compor a equipe missionária em Moma e dar os primeiros passos do projeto de missão ad gentes da Igreja Catarinense na Arquidiocese de Nampula.

O Bispo Referencial para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial no Regional Sul 4, dom Adilson Pedro Busin, lembra que o envio “significa o cumprimento de um projeto que está no Programa Missionário Nacional e o Regional Sul 4, enviando o Pe. Josemar, está dando um passo importante para se integrar com a equipe do Regional Sul 3”.

Pe. Josemar em frente à Casa Paroquial de Larde

Dom Adilson explica ainda que a ideia inicial é que o Pe. Josemar, a partir de Moma, possa conhecer a realidade e, mais adiante, ajudar o Conselho Missionário Regional de Santa Catarina a discernir a possibilidade de enviar à missão a sua própria equipe missionária, para atuar na paróquia que hoje é atendida pelo Sul 3, São Paulo Apóstolo, em Larde. “Quem sabe sejamos vizinhos aqui no Brasil e também lá em Moçambique”, brinca dom Adilson. “Esperamos que o Pe. Josemar seja para nós sinal do discernimento e, para eles, sinal da presença concreta do Regional Sul 4 em Moçambique”, conclui o bispo.

As primeiras impressões

O primeiro mês na missão foi de aprendizado e estudo. Neste tempo, Pe. Josemar participou com outros missionários do Curso de Inculturação oferecido pela Arquidiocese de Nampula aos missionários e missionárias recém-chegados. “O curso de inculturação me fez perceber também os desafios que o povo moçambicano passa, especialmente os jovens, até porque estes são mais da metade da população do país”, relata.

As diferenças, que não são poucas, não causam estranhamento e distância, pelo contrário, motivam ainda mais à aproximação:

Esta é a primeira vez que saio do Brasil. Logo ao chegar fui impactado pelo estilo de vida na cidade. Ao sair da cidade, estando mais perto do meio rural, no Anchilo [onde acontece o curso de inculturação], aí já comecei a me sentir quase em casa. Na ida em Moma e Micane, quando tive contato com o povo, consegui perceber uma gente muito acolhedora, comprometida e com muita vontade de vencer. Tudo isso me faze sentir que este é o lugar que quero estar e vou me esforçar muito para ser uma presença de Deus caminhando junto do povo.

A acolhida nas equipes missionárias

Equipe missionária de Moma, já com Pe. Josemar, na direita.

Feliz e agradecido pela confiança do Regional Sul 4 em lhe enviar para abrir caminhos em terras moçambicanas, Pe. Josemar acredita que deve “ser muito responsável e atento pra poder, junto da equipe do Sul 3, ir construindo o rosto da Frente Missionária do Sul 4 na Arquidiocese de Nampula”.

O padre passou a integrar a equipe missionária de Moma, onde já estão os missionários do Regional Sul 3: os padres Luiz Weber e Henrique Neis, e os leigos Benedito Ataguile e Maria Bernardete Acadroli. Na mesma paróquia – São Miguel Arcanjo de Micane – está a comunidade Luz da Aurora, das Irmãs Filhas do Amor Divino, com as irmãs Ilca Welter, Lourdes Dill, Maria Madalena de Andrade e Rita Lori Finkler.

Segundo ele, essa acolhida de outros brasileiros, missionários que já conhecem a realidade e a cultura macua, ajuda muito neste tempo de adaptação:

Toda chegada é recheada de expectativas e posso dizer que minhas expectativas foram superadas pela acolhida da equipa de Moma e também das irmãs.  Já sou considerado membro da equipe e assim também me sinto.

Saiba mais sobre a ação missionária das duas equipes, clicando aqui.

CNBB Sul 3