Artigos, Bispos › 16/11/2021

13ª Assembleia Diocesana

Está próxima a realização da nossa 13ª Assembleia Diocesana, momento sempre preparado e aguardado com expectativa particular, pois ela nos orienta no caminho pastoral a ser percorrido nos próximos anos em nossa Igreja Particular. Sempre na senda da tradição da Igreja, sobretudo do Concílio Ecumênico Vaticano II e,mais recentemente, fiéis às orientações do Papa Francisco, nosso objetivo foi e é preparar, realizar e projetar este acontecimento com espírito sinodal, percorrendo juntos o caminho da evangelização no nosso tempo. Iluminados pelo Espírito e seu santo modo de operar, desejamos interpretar os sinais dos tempos e, à luz do Evangelho, responder com criatividade e ousadia aos desafios que o presente momento da história nos propõe. Deverá ser uma profunda experiência de comunhão e participação, tendo em vista a missão que Deus nos confia na Diocese de Santa Cruz do Sul: “Caminhar juntos é o que mais implementa e manifesta a natureza da Igreja como Povo de Deus peregrino e missionário” (Documento Preparatório do Sínodo 2023, n. 1). Este é o modo de ser e operar da Igreja que realiza o ser comunhão no caminhar juntos, em assembleia, e no participar ativamente de todos/as na sua missão evangelizadora (cf. Idem, n. 10). Como afirma São João Crisóstomo (séc. V): “Igreja e Sínodo são sinônimos” (Idem, n. 11).

O longo tempo da pandemia está nos mostrando que ninguém se salva sozinho, pois estamos todos no mesmo barco e precisamos uns dos outros (cf. FT, n. 32). Mais ainda, sentimos necessidade do espírito da comunhão neste momento de tantas polarizações, intolerâncias e violências que nos destroem e nos afastam uns dos outros. Como lembra seguidamente o Papa Francisco, é preciso construir pontes que nos aproximam e não muros de separação (cf. FT 276). Por isso, seja a nossa assembleia diocesana um momento, sobretudo de diálogo, de comunhão e de participação, a fim de reanimar-nos na missão. Esse é o primeiro sinal do espírito sinodal e o primeiro testemunho missionário a ser dado ao mundo. Todos temos a aprender uns dos outros, escutando com humildade os irmãos e as irmãs. O Documento Preparatório do Sínodo 2023, n. 15, conclui: “Praticar a sinodalidade é, hoje para a Igreja, a maneira mais evidente de ser ‘sacramento universal da salvação’ (LG, n. 48), sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o gênero humano’ (LG, n. 1)”.

Para este caminhar juntos ou fazer o caminho juntosna comunhão, na participação e na missão nós precisamos da presença e ação do Espírito Santo, que ilumina e vivifica. É o mesmo Espírito que atuou na vida e missão de Jesus, dos Apóstolos, de Maria Santíssima e de todos os discípulos e discípulas,através da história. Agora chegou a nossa vez, o nosso tempo, na realidade de nossa diocese. Não percamos a ocasião profética.

Junto com os diversos aspectos da sinodalidade, será importante também realizar um processo de avaliação do foco central de nossa última assembleia diocesana (2016): “Iniciação à Vida Cristã na Perspectiva de uma Igreja Samaritana”.Certamente progredimos na passagem de uma catequese doutrinal para uma prática catecumenal mais dialógica, de encontro com o Senhor e inserção na comunidade. ALeitura Orante da Palavra de Deus nos ajudou para este encontro mais relacional com o divino. A pandemia dificultou o aprofundamento dos sacramentos da IVC e a prática dascorrespondentes Diretrizes elaboradas. Além de outros aspectos, esse processo precisa ser aprofundado, especialmente com a caridade, inerente ao ser cristão. A todos desejamos boa comunhão e participação, virtual e presencial, na assembleia. Que tudo conduza para uma fecunda missão evangelizadora.

Dom Aloísio Alberto Dilli – Bispo de Santa Cruz do Sul