Artigos, Bispos › 04/06/2020

A comunidade Trinitária e a nossa comunidade

O primeiro domingo depois de Pentecostes, a Igreja Católica o dedica à Santíssima Trindade. Neste dia somos chamados a contemplarmos o nosso Deus, que se manifestou como Pai, Filho e Espírito Santo. Assim é o Deus dos cristãos: um só Deus em três Pessoas. Não é um Deus solitário, fechado e impositivo, mas um Deus comunhão de amor. São João o define assim: “Deus é amor”. Isso se entende se conseguirmos perceber a comunidade trinitária. A menor comunidade, mas a mais perfeita, modelo para toda comunidade, desde família até a humanidade como um todo.

Enquanto criados à imagem e semelhança de Deus, trazemos no nosso DNA a vocação à vida comunitária. Somos seres em relação, vocacionados à convivência e não para o isolamento. A vida cristã é essencialmente vida comunitária, pois tudo leva a sairmos de nós mesmos e irmos ao encontro do Outro e dos outros.

Diante da cultura urbana, as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora têm como eixo central a comunidade eclesial missionária, concebida como ambiente de vivência da fé e forma de presença da Igreja na sociedade e sustentada por quatro pilares: Palavra, Pão, Caridade e Ação Missionária (Cf. nº 144).

Para continuar alimentando a vivência da fé e ser fiel a sua missão de evangelizar é determinante à vida comunitária. A formação de pequenas comunidades eclesiais missionárias é apresentada pelas Diretrizes como prioridade da ação evangelizadora (nº 36).

A vida fraterna em comunidades abertas, acolhedoras e misericordiosas é indispensável para testemunhar a vivência cotidiana do amor fraterno, principal meio de evangelização. Percebemos que há um vínculo indissolúvel entre missão e comunidade. A comunidade autêntica é necessariamente missionária e toda missão se alicerça na vida de comunidade e tende a gerar novas comunidades.

A concretização dessas pequenas comunidades favorece e oferece meios adequados para o crescimento na fé, na comunhão fraterna, para a missão de seus integrantes e para a renovação da vida nas cidades como ‘sal da terra e luz do mundo’. E consequentemente são comunidades que, na medida que são evangelizadas, se tornam sempre mais evangelizadoras.

Essas pequenas comunidades expressam sua comunhão com a Trindade Santa e com a Igreja local especialmente na celebração da Eucaristia realizada no templo, espaço apropriado para manter viva nossa comunhão com Deus e com os irmãos(as).

É sempre bom lembrar que ninguém se salva sozinho, que não existe o cristão avulso e independente, mas que pertencemos ao único Corpo de Cristo, onde Ele é a cabeça e nós seus membros. A vida comunitária encontra seu fundamento e força Comunidade Trinitária.

Para refletir:

– Como sinto e vivencio minha relação com a Trindade Santa?

– Que importância tem a comunidade para a minha vida cotidiana e na vivência da minha fé?

– De qual comunidade me sinto parte e experimento a presença do Deus Trindade?

Textos bíblicos: Pr 8, 22-31; Rm 5,1-5; Jo 16,12-15; Sl 8.

Dom Jaime Pedro Kohl  – Bispo de Osório