Artigos, Bispos › 24/09/2019

ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL

Caros diocesanos. O mês da Bíblia nos proporciona a oportunidade de abordar diversos temas ligados à Palavra de Deus. Hoje, inspirados na Verbum Domini de Bento XVI (2010) e no Documento de Aparecida (2007), nosso objetivo será orientar nossa atenção à Animação Bíblica da Vida e da Pastoral, que consiste na busca constante de ter a Sagrada Escritura como alma ou como vida de toda ação evangelizadora da Igreja, não simplesmente justaposta às outras pastorais, mas como fonte da animação da vida e da pastoral inteira: “a Palavra de Deus precisa ser a inspiração de todo o ser e agir evangelizador eclesial” (Discípulos e Servidores da Palavra de Deus na Missão da Igreja, n. 34).

Esta Palavra, que se fez carne (Jo 1, 14) e deu novo sentido e vida ao mundo, continua viva nas comunidades cristãs, onde somos convidados a dar novo passo: compreender a Palavra de Deus como a alma de toda a ação evangelizadora da Igreja, ou seja, uma verdadeira animação bíblica da vida e de toda pastoral. Assim a Palavra de Deus contida na Sagrada Escritura suscita, forma e acompanha a vocação e a missão de cada discípulo missionário de Jesus Cristo e orienta todas as ações organizadas da Igreja. A Palavra de Deus torna-se “alma da ação evangelizadora da Igreja” (DP 372; DAp 248 e cf. Mensagem dos Bispos do Brasil sobre a Palavra de Deus e a Animação Bíblica de toda a Pastoral – 2010).

Ao se falar em “Animação Bíblica da Pastoral”, propõe-se maior conhecimento e assimilação da Palavra de Deus e, sobretudo, um encontro pessoal e comunitário com o Senhor em vista da missão para o Reino de Deus. Assim, a Animação Bíblica da Pastoral deve conduzir a um caminho de conhecimento e interpretação da Sagrada Escritura, a um caminho de comunhão e oração com o Senhor e a um caminho de evangelização e anúncio da Palavra de Deus, esperança para o nosso mundo (cf. DAp 248).

Portanto, é hora de uma formação bíblica mais intensa, profunda, sistemática e corajosa; de um contínuo e fascinante contato com a Palavra de Deus, que é Jesus Cristo; de uma forte e vibrante ação evangelizadora a partir da Palavra de Deus. Os bispos do Brasil insistem na importância da Leitura Orante, pessoal e comunitária, neste processo: “Com a Bíblia na mão, a Palavra de Deus no coração e com os pés na missão, somos convocados à prática da Leitura Orante” (cf. Mensagem dos Bispos…).

No capítulo 3 das anteriores Diretrizes Gerais da CNBB (2011-2015, n. 44 e 2015-2019, n. 47) encontramos o título: 3.3 Igreja: lugar da animação bíblica da vida e da pastoral. Nele se reflete sobre a revelação de Deus que dialoga conosco. Sua Palavra pronunciada no tempo foi entregue definitivamente à Igreja para que a salvação seja anunciada sempre e em toda parte. O contato vivencial com as Escrituras é indispensável para o discípulo missionário encontrar a pessoa e a mensagem de Jesus Cristo, aderir ao seu Reino e transmitir sua experiência aos outros. O texto insiste na íntima ligação necessária entre a Iniciação à Vida Cristã e a Palavra de Deus (Leitura Orante). A riqueza de contatos com a Palavra de Deus quer nos conduzir a uma iluminação bíblica de toda vida (Sl 119, 105). Isso acontece através de três caminhos: de conhecimento e interpretação da Palavra, de comunhão e oração com a Palavra e de evangelização e proclamação da Palavra. Neste contexto, a instituição e formação continuada dos ministros e ministras extraordinários da Palavra merecem atenção particular. Enfim, todos os serviços eclesiais precisam fundamentar-se na Palavra de Deus e serem por ela iluminados.

Dom Aloísio A. Dilli

Bispo de Santa Cruz do Sul.