Notícias › 15/04/2021

Bispos Eméritos do RS partilham motivação para participarem da 58ª AG

Participar de uma assembleia é não abandonar e sim me inserir cada vez mais na família que formam os bispos. Sou feliz em poder estar presente e servir o povo de Deus nesta pequena experiência. O relato é de dom Paulo De Conto, Bispo Emérito de Montenegro e certamente traduz bem a sensação dos bispos eméritos que integram a plenária desta 58ª Assembleia da CNBB.

“Eu sempre participei da assembleia. Embora bispos eméritos tenham a participação livre, o aspecto da colegialidade é muito importante para mim: estar junto e ao lado de todos os bispos do nosso querido Brasil”.

Dom Paulo, que foi bispo diocesano de Montenegro de 2008 até outubro de 2017 – passando por Nova Friburgo em 2020, como Administrador Apostólico – diz que atualmente vive, em casa, o silêncio e a meditação, intensificados pelo isolamento da pandemia e pela necessidade de reconhecer os erros e pecados de sua vida.

Ele acrescenta ainda que se sente motivado em viver a fraternidade com os bispos, escutá-los e se colocar a disposição. Como sempre, ainda hoje dom Paulo tem colaborado muito na formação dos presbíteros, através da pregação de retiros. Além de tudo, finaliza, “junto com os bispos na assembleia virtual, ganho um novo ânimo para, como bispo emérito, poder servir o Reino de Deus”.

Atualmente no Brasil são 166 bispos eméritos. Deste total, 15 estão no Rio Grande do Sul. Dom Alessandro Ruffinoni é um deles. Tornou-se emérito no dia 08 de setembro de 2019 e explica que logo voltou ao Paraguai para trabalhar com os padres scalabrinianos, sua congregação de origem. “Tive dificuldades de adaptação com o clima e depois de um ano retornei à Diocese de Caxias do Sul, onde hoje atendo o Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio, em Farroupilha”, comenta.

Emérito da diocese da Serra Gaúcha, ele aponta que na Assembleia Geral, apesar de os eméritos não terem direito a voto, têm espaço de fala e reflexão nas discussões dos temas.

“O nosso papel como bispo emérito é aproveitar também este tempo para rezar pelos bispos que estão agora à frente de nossa Igreja, para que tenham sempre saúde e sabedoria. Além disso, na Assembleia é que ficamos por dentro dos assuntos mais importantes da Igreja no Brasil”, ressalta Dom Ruffinoni.

O terceiro bispo emérito gaúcho que participa da 58ª Assembleia Geral da CNBB é Dom José Mário Stroeher, emérito de Rio Grande desde 17 de fevereiro de 2016, com a nomeação de Dom Ricardo Hoepers. Ele narra que desde a data assumiu a direção e atualmente está como segundo vice-presidente do Complexo Hospitalar Santa Casa do Rio Grande, que integra quatro hospitais e atende Rio Grande e mais 22 municípios da região sul do Estado.

Pelos compromissos no hospital, dom José Mário só consegue acompanhar a assembleia parcialmente, nas manhãs. Ainda assim, ele ressalta que “Mesmo como bispo emérito procuro acompanhar a ação evangelizadora no Brasil, e por isso participo da Assembleia Geral. Estou sempre em sintonia com a Igreja, os bispos e padres, em união com o Papa Francisco”, conclui dom José Mário.

CNBB Sul 3