Artigos, ATUALIDADES › 11/05/2022

Charles de Foucauld, a santidade é aprender ser o último!

No final de sua última Elegia de Duíno, Rilke escreveu: «E nós, que pensamos na felicidade ascendente, sentiríamos essa emoção que quase nos confunde, quando uma coisa feliz cai.»

No próximo domingo, 15, junto com outras 09 pessoas, Charles de Foucauld será canonizado pelo Papa Francisco na praça São Pedro. Uma vida santa construída em meio à de contradições. Uma vida que aprendeu, não sem gritar, a ficar de joelhos! Charles é a emoção que Rilke intuiu em poesia: a felicidade não é subir até o lugar mais alto, mas é descer até ser o menor de todos, que é o lugar do encontro consigo mesmo!

Charles «soube cair» quando largou o caminho das honras militares e os prêmios da Sociedade de Geografia para escolher a vida de entrega total a Jesus. Essa descoberta não foi tão fácil, marcada pelas crises de fé. Foi o Pe. Huvelin, vigário da igreja de Santo Agostinho em Paris, encontrado por Charles depois de retornar do Marrocos, que teve um papel fundamental de acompanhamento, de confissão e de orientação espiritual. Esse padre sempre se manteve próximo, ajudando-o a fazer as grandes perguntas do seu projeto de vida, sem jamais capturar a liberdade. É dele uma das expressões que mais marcariam Charles de Foucault: «Jesus escolheu o último lugar e jamais alguém conseguiu tirar dele.»

Charles «soube cair» quando assumiu o último lugar que significava viver escondido no cotidiano da vida. Charles andou por muitos lugares, antes e depois do caminho de conversão. Não estava preocupado em realizar grandes coisas, mas traduzir cada dia com a plenitude que merece! Charles fez da normalidade a sua habitação! Na Terra Santa, Charles trabalhou na tradução de textos nos três anos que viveu em Nazaré e assim em cada lugar, até chegar a Argélia, no deserto do Saara onde, sozinho, isolado e em oração, viveu no meio dos muçulmanos que o chamavam de «irmão!»

No dia 1º de dezembro de 1916, Charles «caiu» pela última vez. Contava com 58 anos e enquanto rezava, chegaram os assaltantes na pequena casa onde morava e como que numa emboscada foi morto! O irmão universal foi encontrado de joelhos, como viveu boa parte dos seus dias.

A cruz de Jesus e o golpe fatal de Charles narram um mesmo mapa: nem sempre a vitória é lugar para ser feliz!

Pe. Maicon A. Malacarne