Notícias › 10/06/2022

CNBB Sul 3 lamenta falecimento de dom Aloísio Sinésio Bohn

O Regional Sul 3 da CNBB lamenta o falecimento de Dom Aloísio Sinésio Bohn, ocorrido na noite desta quinta-feira (09), no Lar Sacerdotal, em Santa Cruz do Sul.

Dom Aloísio foi bispo de Santa Cruz do Sul de 1986 a 2010 e também foi o primeiro bispo diocesano de Novo Hamburgo, de 1980 a 1986.

Dom Aloísio Sinésio estava hospitalizado nos últimos dias por causa de uma dificuldade respiratória, recebeu alta e continuou tendo acompanhamento médico, mas em virtude de uma pneumonia, não resistiu e veio a falecer.

O corpo de Dom Aloísio Sinésio será sepultado na Catedral São João Batista, onde acontecerão as celebrações de exéquias. O velório iniciará a partir das 9h e a missa de corpo presente será celebrada às 15h desta sexta-feira, dia 10.

Biografia

Aloísio Sinésio Bohn nasceu em Linha Bonita, município de Montenegro, em 11 de setembro de 1934. É filho de João Bohn Sobrinho e Oliva Paulina Both. Fez seu Ensino Médio no Seminário Menor São José de Gravataí, de 1952 a 1954. Depois, em Roma, residindo no Pio Brasileiro e estudando na Universidade Gregoriana, cursou Filosofia, Teologia e Direito Canônico, de 1955 a 1964. Foi ordenado presbítero em Roma no dia 23 de dezembro de 1962. De volta ao Brasil atuou, principalmente, como vigário paroquial na paróquia São Jorge, em Porto Alegre, de 1964 a 1965. Trabalhou como professor de Teologia e assistente dos estudantes de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Porto Alegre no Seminário Maior de Viamão de 1966 a 1977. Em 27 junho de 1977 foi nomeado pelo papa Paulo VI Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Brasília e consagrado no dia 09 de setembro do mesmo ano, no Seminário Maior de Viamão pelo arcebispo de Porto Alegre Dom Vicente Scherer. Em 23 de fevereiro de 1980 Dom Sinésio assumiu como primeiro Bispo de Novo Hamburgo e em 31 de agosto de 1986 assumiu como segundo Bispo da Diocese de Santa Cruz do Sul. Como lema de Episcopado tomou para si: OMNES UNUM SINT (Que todos sejam um).

Na Comissão Episcopal de Pastoral da CNBB foi o Bispo responsável pelos setores do Ecumenismo, do Diálogo Inter-religioso e da Pastoral da Juventude durante os anos de 1983 a 1990. De 1992 a 1995 foi o Presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC).
Ao longo de sua caminhada como bispo incentivou a formação teológica dos leigos com a constituição do Centro Diocesano de Formação (CDFPT) e motivou a formação de ministros e catequistas. Criou a Escola Diocesana de Diáconos Permanentes e Ministros Extraordinários do batismo, entre outras iniciativas.
Em 19 de maio de 2010 o Papa Bento XVI aceitou sua renúncia por limite de idade (75 anos) de acordo com o Cânon 401, §1, do Código de Direito Canônico.

CNBB Sul 3