Artigos, Bispos › 15/06/2022

Dai-lhes vós mesmos de comer

A celebração da Solenidade de Corpus Christi nos leva a algumas reflexões importantes no cultivo de nossa fé em Cristo Jesus, Palavra encarnada e alimento para a vida do mundo. O milagre da multiplicação dos pães, Jesus o realiza logo após o retorno dos discípulos enviados em missão. O povo que acorria passou um tempo escutando a Palavra de Jesus, num lugar deserto.  Nesse contexto Jesus diz aos discípulos preocupados: “Dai-lhes vós mesmos de comer”.

Pela Palavra, Deus fala conosco, revela seu amor, mostra o caminho a seguir, orienta, dá força e conforta.   Pela Eucaristia, dá-nos seu filho amado como alimento para as nossas fraquezas, como remédio para nossas doenças: “Na Santíssima Eucaristia está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, a nossa Páscoa e o pão vivo que dá aos homens a vida mediante sua carne vivificada e vivificadora pelo Espírito Santo. Por isso o olhar da Igreja volta-se continuamente para o seu Senhor, presente no sacramento do Altar, onde descobre a plena manifestação do seu imenso amor. Quem deseja ser discípulo missionário de Jesus Cristo não pode prescindir desses dois alimentos essenciais à saúde espiritual”.

Esse tesouro de valor incalculável, a Santíssima Eucaristia, foi instituído por Jesus na Última Ceia. Na primeira quinta-feira livre depois do tempo pascal a Igreja festeja-o solenemente com Missa e procissão com a Hóstia Consagrada.

A missa dominical é o encontro semanal da comunidade de fé para oferecer “por Cristo, com Cristo e em Cristo” o sacrifício perfeito ao Pai, que quer todos os seus filhos vivendo a fraternidade, partilhando o pão e a vida por meio da construção de uma sociedade justa e fraterna. O caminhar com Ele pelas ruas da cidade, neste dia de Corpus Christi, é um modo de manifestar nossa gratidão por tão grande amor e nosso propósito de segui-lo como nosso Mestre e Senhor.

Para quem resiste em acreditar na presença real de Cristo nos sinais do pão e do vinho consagrados, bastaria o exemplo da mula faminta de Santo Antônio que, ao invés de cair sobre o feno posto diante dela para matar sua fome de dias de jejum, se prostra diante da Hóstia Santa que Santo Antônio carregava no ostensório.

São muitos os sinais – milagres – que o próprio Cristo deu ao longo da história a respeito da sua presença viva e real nas espécies do pão e do vinho consagrados. A nós deveria bastar a sua palavra: “Tomai e comei, isto é o meu corpo. Tomai e bebei, isto é o meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança. Fazei isto em memória de mim”.

Para refletir: Acredito na presença real de Jesus no pão e no vinho consagrados? Costumo frequentar e comungar Jesus Hóstia? Em preparação 18º Congresso Eucarístico Nacional, o bispo convida os católicos da Diocese de Osório a passar algum tempo diante do Santíssimo Sacramento exposto nos nossos altares. Que tal passar algum tempo em contemplação silenciosa diante dele?

Textos Bíblicos: 1Cor 11, 23-26; Lc 9, 11-17; Jo 6; Sl 109(110).

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo de Osório