Artigos, Bispos › 01/04/2019

Deus é tudo, mas nem tudo é Deus!

Peregrinos e forasteiros neste mundo, como pessoas de fé, acreditamos que foi Deus quem fez o universo e tudo o que nele existe. Deus criou o mundo para ser um lugar de felicidade, de convivência, de paz e de harmonia.

Em todos os tempos, mas de forma mais acentuada, nos últimos tempos, presenciamos situações contrárias à vontade Divina. A violência invade o que é mais sagrado: a família, a escola, organizações públicas e privadas. A drogadição aumenta, os valores são voláteis (sociedade líquida…), a vida deixa de ser o valor maior em muitas situações. Aumentam as crises em todas as realidades. As doenças “modernas”, como a depressão, o estresse, o consumismo mórbido, a ansiedade, a busca desenfreada do poder e do prazer, a ganância, a compulsão por gastos, levam as pessoas a procurarem longe de Deus a solução para seus problemas, muitas vezes anulando a própria dignidade.

Nestes últimos dias vários fatos marcaram a nossa realidade, tanto em nível mundial, quanto nacional e local. O que está faltando? Amor? Deus? Foco na vida?

A Quaresma, cujo tempo estamos vivendo, nos ajuda a refletir e a buscar alternativas. Somos chamados à reflexão quanto a nossa condição humana e pecadora. Sozinhos, praticamente somos nada. Ninguém é uma ilha. Precisamos uns dos outros. Somos seres sociais e necessitamos interagir e favorecer o relacionamento. Somos todos irmãos e irmãs. É urgente aprender a caminhar juntos, não separados, nem à frente nem atrás. Juntos. Sozinhos podemos ir até mais depressa, mas juntos vamos bem mais longe.

É tempo de refletir sobre como vivemos, em quem acreditamos, onde gastamos nossas energias, nosso tempo, nosso dinheiro. Em que investimos a nossa vida, quais as nossas metas, que mundo queremos construir, como estamos colaborando para que o sonho da justiça se torne realidade?

É tempo de reavaliar os valores que norteiam e sustentam a vida. Qual a intensidade daqueles valores que nos humanizam: respeito, perdão, acolhida, fraternidade, solidariedade, entre outros?

É tempo de buscar ajuda em Deus. Quando falta Deus, sobra prepotência, arrogância, autossuficiência, auto referência… Para um mundo ou para uma pessoa sem Deus, tudo é permitido, tudo pode, inclusive: matar, roubar, escravizar, armar, violar, explorar… Sem espiritualidade, não há limites, não existem valores nem critérios. A primeira página da Bíblia, no livro do Gênesis, traz presente uma constatação quanto às ações humanas: “é um caos”.

Precisamos exercitar a autoajuda: acreditar em nós, em nossas capacidades, em nossa força de vontade, em nossa espiritualidade. É imprescindível creditar na força da superação.

Precisamos ter esperança: não deixar a esperança morrer em nós, não permitir que roubem ou matem nossos sonhos e nossas utopias.

Precisamos deixar Deus agir em nós, ao ponto de nos tornarmos instrumentos do projeto divino, através de uma relação filial, fraterna e amiga. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida.

  Se Deus é por nós, quem será contra nós?

Dom Frei Cleonir Paulo Dalbosco – Bispo de Bagé