Artigos, Bispos › 03/08/2022

Escutar para discernir o chamado de Deus

Queridos irmãos e irmãs em Cristo Jesus! Como Igreja comunidade de fé, queremos louvar e agradecer a Deus pelo dom da vida e pela vocação, que cada um abraçou como escolha consciente, para vivê-la com dignidade, tendo presente o chamado de Deus e a resposta do coração.

Como Povo de Deus a caminho da casa do Pai, queremos, neste momento da história, à luz da Palavra da Deus, como Igreja, comunidade de fé, viver este Mês Vocacional como um convite a olharmos a nossa disposição interior para o serviço do Senhor, através da nossa vocação, matrimonial, consagrada ou sacerdotal. Ao mesmo tempo, convido a nos colocarmos à escuta de Deus, através da oração e do silêncio, para refletirmos e discernirmos sobre a pouca receptividade dos jovens ao chamado de Deus, à vida consagrada, sacerdotal e matrimonial.

A família e a comunidade de fé são espaços privilegiados para o discernimento vocacional dos jovens, que deveriam encontrar apoio e incentivo, através da oração e do respeito à liberdade de escolha em relação ao estado de vida. No modo de ver de Jesus, a fé é a fonte do discernimento vocacional. Se a vocação para a alegria do amor é o apelo fundamental que Deus põe no coração de cada jovem, para que a sua existência possa dar fruto, a fé é dom do alto e resposta ao sentir-se escolhido e amado.

A vocação ao amor assume para cada um uma forma concreta na vida cotidiana, por meio de uma série de escolhas de estado de vida, das quais ninguém pode eximir-se. O objetivo do discernimento vocacional é descobrir como transformá-lo, à luz da fé, em passos rumo à plenitude da alegria a que todos são chamados. Abraçar uma vocação aderindo a um estado de vida é uma resposta do coração no qual está presente o “sim” do amor serviço, da entrega, da realização humana e espiritual de cada pessoa.

Numa cultura marcada pelo materialismo, o individualismo e a indiferença, que buscam subjugar os valores do Evangelho, é fundamental, assumirmos a nossa responsabilidade de cristãos comprometidos com o Reino de Deus, apresentando aos jovens os valores da fé e a importância do discernimento vocacional, para fazer uma escolha de vida, em que possam melhor contribuir através da vocação, dom Deus, para estar a serviço da humanidade.

No “sim” da resposta vocacional a Deus não está presente a certeza, mas a confiança no chamado do Pai; no colocar-se a caminho para servir, como fez Maria de Nazaré, a humilde serva do Senhor. Ela disse “sim” porque confiava naquele Deus que age na história da humanidade e na história pessoal e vocacional de cada um de nós.

Que Nossa Senhora de Caravaggio, padroeira da nossa Diocese, interceda junto ao seu Filho Jesus, para que os jovens possam fazer um discernimento vocacional, tendo presente o chamado de Deus, a vocação, mas também as necessidades da Igreja, Povo de Deus em nossas comunidades.

+ Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul