Artigos, Bispos › 24/03/2022

Fala com sabedoria, ensina com amor (III)

O terceiro capítulo do texto base, traz a dimensão da iluminação da realidade vista anteriormente, mas nunca como partes estanques. “Escutar, discernir e agir. Eis que o caminho da Campanha da Fraternidade nos apresenta neste ano: é preciso discernir os desafios da realidade educativa no seu conjunto para alcançar propostas plausíveis de superação das lacunas e dificuldades que comprometem a qualidade da educação em todos os âmbitos” (141).

Para esse discernimento somos convidados a olhar para o melhor educador: o Mestre Jesus. O Evangelho revela como Jesus atraia pessoas, grupos e a multidão sobretudo pelo seu modo de ensinar. Em seu método três atitudes sempre presentes: anunciar, ensinar e curar. Ele inicia seu ministério público dando testemunho de vida, fazendo e ensinando. A sua pedagogia leva as pessoas a mudarem seu modo de pensar e agir; ensina levando em consideração toda a realidade que cerca as pessoas com as quais se encontra. As mudanças são sempre visíveis.

O mandato missionário: “Ide e ensinai” (Mt 28, 19-20) assumido com coragem pelos discípulos, impulsionou a vida deles que assumiram a tarefa de anunciar e iluminar o mundo com a audaz proposta do Evangelho, testemunhando em sua ação missionária a pedagogia do amor, do diálogo, da compaixão e do cuidado com a vida.

À luz da fé em Jesus Cristo – mestre e educador – a missão educativa dos discípulos missionários tem sido promover a fraternidade, a partir da força transformadora do Evangelho. A educação cristã não é só integral no sentido temporal, mas eterno. Ela deve conduzir a pessoa a desenvolver suas capacidades em vista do amor a Deus e ao próximo, sem descuidar da promoção da vida e da dignidade humana, no horizonte da salvação.

O olhar de Jesus para a mulher pecadora que está para ser condenada porque pega em flagrante adultério (Jo 8, 1-11) é iluminado pelo amor de Deus que vê a pessoa integralmente e a convida a uma nova vida que nasce de um coração que se converte. O mesmo acontece com a Samaritana, com Zaqueu e muitos outros.

A educação cristã se orienta pelo objetivo de formar a pessoa humana em todas as suas dimensões, tanto humana como espiritual; como ser único e irrepetível; com sua subjetividade e riqueza própria, herdada e construída a partir de sua história familiar, como também de suas opções pessoais norteadas por algum projeto de vida, mais ou menos consciente não importa. Educar e educar-se a partir da lei suprema do amor conduz à verdadeira sabedoria.

Para refletir: Quem é o meu modelo de educador? Em quem me inspiro no meu viver e no meu ensinar? Sinto-me um educador? Minha vida serve de inspiração para meus familiares e amigos? Como as pessoas que encontro no meu trabalho e convívio saem? Edificas, com vontade de viver melhor e crescer humana e espiritualmente?

Textos Bíblicos: 2 Cor 5, 17-21; Lc 15, 1-32; Sl 33(34).

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo de Osório