WEBMAIL

Luz nas Trevas

A lâmpada tem sido durante muitas gerações um dos símbolos mais utilizados para significar e resumir o papel de uma escola na vida de uma pessoa e de uma comunidade. Educar é lançar luz sobre a estrada para iluminar os caminhos que nos levam ao futuro. Quando falta a luz corremos o risco de nos perder, trilhando estradas que podem, fatalmente, anular os sonhos e lançar-nos no conformismo de uma vida sem perspectivas.

Hoje é o dia da Escola! Isso quer dizer que, de forma análoga ao dia da mulher, ao dia do índio e a tantas outras datas comemorativas, esse espaço não é suficientemente valorizado, reconhecido e contemplado como portal de um presente e de um futuro melhor.

Não é difícil verificar o estado em que se encontram muitas escolas. Várias delas fariam jus ao Oscar, caso concorressem ao filme de piores acomodações, lugares propícios à evasão dos estudantes porque não têm o mínimo atrativo para quem busca nelas um espaço de aprendizagem, em vista de um projeto de vida. Boa parte das  escolas vai muito mal!  Falta quase tudo. E os professores, esses valorosos guerreiros, levam de casa materiais para tornar suas aulas mais dinâmicas e até mesmo confeccionam guloseimas na cozinha de casa, para repartir com os colegas e estudantes. Acreditem: há escolas que não oferecem um cafezinho aos professores.

Não repetirei o velho mantra que insiste em lamentar o descaso de autoridades e de quem faz as leis tratando escolas e professores como necessidades de segunda, terceira ou quarta grandeza. Ouvi certa vez de um “maioral” que aos professores de escola pública não são necessários mestrado e doutorado, pois não precisam saber tanto para ensinar os alunos. Essa mentalidade continua por aí, por aqui e em todos os lugares. Se não explicitamente, com certeza é assim que muitos tratam a escola. Como se não fosse importante, como se fosse um mal necessário.

Quem trabalha na escola, como eu, sabe que ela é muito mais do que vemos. As paredes, as acomodações muitas vezes mal acabadas não são a escola. Quem faz a escola é a gente! São os teimosos que sabem o valor de um professor, de uma sala de aula na vida de tantos, cuja vida esqueceu ou relegou a cidadãos de segunda categoria. Não temos apenas casos tristes para contar. Foi a escola que forjou futuro para muitos que só esperavam o ostracismo e a repetição das mazelas sociais em que estavam mergulhados os seus. Foi a escola que abriu caminhos para tantos, cuja vida só soube bater, até que um dia um professor fitando os olhos marejados pela dor  fez com que levantassem do chão da vida, arregaçando as mangas e abrindo o peito para enfrentar a dura luta, da qual ninguém escapa.

Este santuário, por vezes pequeno por vezes gigante tem sido um espaço maravilhoso onde se ensina a produzir luz, energia e onde se fabricam sonhos que saem do papel devido à fé que temos na pessoa humana. Quem dera inclinássemos nossa cabeça ao passar por uma escola, reverenciando sua grandeza e seu significado em nossas vidas e nas vidas de tantos, neste país.

Eu te saúdo Escola de mil nomes, de milhares de faces e de tantas cores e raças. Em ti a pluralidade que nos permite ver a beleza de sermos humanos, mas que reclama de nós a coragem dos que denunciam a falta de consideração, de cuidado e de valorização de tudo e todos a quem representas. Viva a Escola! E nestas vidas que por ela passam, viva ainda mais o ser humano, imagem e semelhança de Deus, que merece ser cuidado, amado, protegido e ter um futuro iluminado pela educação que transforma, anima e desafia a fazermos de nossa vida o melhor que pudermos.

Prof. Dr. Rogério Ferraz de Andrade