Artigos, Bispos › 05/03/2019

Mensagem para a Quaresma

Caros irmãos e irmãs, iniciamos, nesta quarta feira de cinzas, o período quaresmal.

Durante estes quarenta dias, vamos nós também, de certa forma, com Jesus ao deserto. Ou seja, com a Igreja somos convidados a viver um período caracterizado pelo jejum, pela penitência e pelas obras de caridade. Um tempo durante o qual ecoa o grande convite que ouvimos, no momento da imposição das cinzas: “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Durante este tempo privilegiado, somos convidados à conversão: um caminho de superação pessoal e de cooperação com a Graça de Deus, com a finalidade de fazer morrer em nós o homem velho, sob o domínio do pecado.

É um tempo de mudanças radicais e dramáticas. Não se trata de um “envernizamento externo”, de uma simples melhoria em relação a alguns maus hábitos e costumes que possamos ter. Ao contrário, trata-se de ir profundamente ao encontro do rompimento radical com o pecado que possa ainda persistir em nossa vida. Trata-se de nos afastar de tudo aquilo que nos afasta de Deus, de tudo aquilo que impede a nossa felicidade como filhos de Deus.

A Quaresma, como tempo forte que é, merece ser vivida com intensidade radical, cuidando-se de detalhes grandes ou pequenos, com a finalidade de se atingir, ao chegar o Tempo Pascal, as metas propostas de renovação espiritual e humana. É preciso ter, neste período, um concreto plano de mortificações pessoais, de exercícios concretos de caridade, de determinação de um maior tempo para a oração, de data concreta para se receber o perdão no sacramento da Penitência.

O Tempo quaresmal, como todos os Tempos litúrgicos, está aberto a um objetivo maior. Não se trata de penitenciar-se por gosto. Ao contrário, a penitência e o jejum custam, tem sabor amargo, fazem caminhar a contragosto. Estas exigências quaresmais, unidas à intensificação da caridade, tem uma finalidade específica: fazer-nos viver um Tempo forte para chegar preparados a outro Tempo ainda mais forte: o Tempo pascal.

Este período fundamenta-se em dois alicerces:

  • A contemplação do Mistério Pascal do Senhor
  • A participação pessoal e comunitária neste Mistério

Este é o sentido de intensificarmos, durante a Quaresma, a celebração dos sacramentos pascais: batismo – reconciliação – eucaristia.

Neste ano, no Brasil, o período quaresmal serve também para um chamado à conversão  comunitária, social, através da campanha da Fraternidade, que tem como tema: “Fraternidade e políticas públicas”. O lema da CF 2019 é: “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1, 27).

O objetivo desta campanha é “estimular a participação em políticas públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais da fraternidade”.

Vivamos intensamente este período santo, fazendo dele um Tempo de conversão e de crescimento.

Dom Antônio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen