Artigos, Bispos › 09/09/2019

MINISTÉRIO E CELEBRAÇÃO DA PALAVRA

Caros diocesanos. Estamos no mês da Bíblia e voltamos a refletir sobre a importância das celebrações da Palavra de Deus. É inquestionável a veneração da Palavra na vida e missão da Igreja de todos os tempos, mas nem sempre se lhe deu o devido valor de culto (cf. OLM 10). Prova disso é a dificuldade dos fiéis em participar de celebrações da Palavra. Por vezes ainda não lhe damos o devido valor celebrativo, como forma de presença do Senhor entre nós (cf. Jo 1, 14). Nosso objetivo, portanto, será ajudar na descoberta da “sacramentalidade” que as celebrações da Palavra proporcionam (VD 56).

Para atingirmos esse patamar litúrgico de justa valorização da Palavra de Deus é preciso que a mesma seja bem celebrada nas comunidades, com pessoas devidamente preparadas e dignas. Por isso a CNBB, no início deste ano de 2019, emitiu novo documento: “Ministério e Celebração da Palavra” (Doc. CNBB 108), como subsídio que contém “Fundamentação bíblico-teológica e orientações pastorais do Magistério Universal e da CNBB, com relação aos ministérios em geral e, em particular, ao ministério da Palavra…confiado aos cristãos leigos e leigas” (n. 1). Portanto, esse documento se ocupa especificamente do ministério da Palavra, confiado aos cristãos não ordenados. Estes, por sua vez, podem ser chamados a cooperar no exercício do ministério da Palavra (CDC cân 759) e somente atingirão seu verdadeiro valor pastoral se estiverem unidos e orientados pelos seus pastores (cf. nn. 2-3); o que exige um plano de formação inicial e o devido acompanhamento posterior. O presente documento deseja colaborar na colocação de fundamentos para tal, apresentando diversos capítulos para a formação:

  • Ministério da Palavra no Novo Testamento: Apresenta os diversos chamados e enviados para o anúncio da Palavra, no início da era cristã;
  • A Eficácia da Palavra Anunciada: É Deus que fala pela boca dos seus enviados;
  • O Ministério da Palavra no Ensinamento do Concílio Vaticano II: Admitem-se homens ou mulheres, admitidos pelo bispo, para dirigir a celebração da Palavra;
  • O Ministério da Palavra no Magistério Eclesiástico após o Concílio: Há importantes afirmações em vários documentos. Destacamos a de Bento XVI: “as celebrações da Palavra são ocasiões privilegiadas de encontro com o Senhor” (VD 65);
  • A Celebração da Palavra de Deus: “As divinas Escrituras sempre foram veneradas como o próprio Corpo do Senhor pela Igreja” (DV 21). Assim, as celebrações dominicais da Palavra não são novidade pós-conciliar. Toda celebração conterá estes elementos: Deus reúne; o Povo atende; Deus dirige sua Palavra; os fiéis escutam e respondem com fé; a assembleia louva e Deus abençoa seu Povo e o envia em missão;
  • Ritos da Celebração da Palavra: Ritos iniciais, Liturgia da Palavra, Coleta fraterna, Louvor e Ação de graças, Comunhão eucarística e Ritos finais;
  • Celebração da Palavra e Ofício Divino e Partilha de Alimentos ou Ágape Fraterno: Comer juntos é um sinal do Reino de Deus e constrói a fraternidade;
  • Orientações Pastorais sobre a Celebração da Palavra: Os fiéis formam assembleia convocada por Deus e não concentração espontânea. Outros cuidados: há diversos ministérios e serviços na celebração; preparação da comunidade; escolha e reconhecimento oficial do ministro da Palavra; a veste litúrgica;
  • Formação dos Ministros/as: Formação, espiritualidade, testemunho e missão;
  • O documento apresenta 4 Roteiros celebrativos e Rito de Acolhida dos ministros da Palavra.

Dom Aloísio A. Dilli

Bispo de Santa Cruz do Sul.