Artigos, Bispos › 05/05/2022

O Bom Pastor conduz às fontes da vida

No evangelho deste domingo Jesus se apresenta como aquele que conhece e é conhecido pelos seus, como acontece na relação entre pastor e ovelhas.

A imagem do Pastor continua sendo uma das que melhor expressam a relação de intimidade que Deus tem para com os seus seguidores. Vejam se não é encantadora a fala de Jesus: “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. Meu Pai, que me deu essas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. Eu e o Pai somos um”.

Percebem como aparece uma interação plena entre Jesus e o Pai e a Trindade Santa conosco. Uma pertença e união tão intensa e forte que ninguém poderá romper: ninguém vai arrancá-las de minha mão e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai.

Ninguém é ninguém mesmo, nenhuma pessoa deste mundo e nem qualquer outro ser que possa existir ou qualquer força maligna que se possa imaginar, pode separar-nos de Cristo Jesus, ninguém pode arrebatar-nos do amor de Deus.

Isso nos faz sentir mergulhados no Mistério Trinitário, participando da vida divina que o Ressuscitado oferece às pessoas que se deixam amar e o acolhem na fé. Não nos faz sentir seguros, queridos, amados e protegidos por Aquele que venceu a morte? Como não sentir vontade de encontrar e abraçar alguém que tanto nos quer?

A mim faz lembrar Rom 8,35-39: “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, os perigos, a espada?… Mas em tudo isso somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem a morte nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem os poderes, nem a altura, nem a profundeza, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus manifesto em Cristo Jesus nosso Senhor”.

Como se não bastasse para convencer qualquer jovem a responder positivamente ao chamado ao sacerdócio ou a vida consagrada nesse Dia Mundial de Oração pelas Vocações escutemos o que nos diz o Apocalipse: “o Cordeiro, que está no meio do trono, será o seu Pastor e os conduzirá às fontes da água da vida.” (Ap 7,17).

Para refletir: Consigo sentir-me próximo de Deus e Deus próximo de mim? Quando experimento isso de modo mais sensível? Sinto-me amado por Deus e convidado por Jesus a seguir seus passos? Se Ele me convidasse a deixar tudo para me dedicar totalmente à evangelização ficaria feliz e disposto a gastar a minha vida por Ele?

Textos bíblicos: At 13, 14-52; Ap 7, 9-17; Jo 10, 27-30; Sl 99(100).

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo Diocesano de Osório